Vacina para o COVID19 e o Desporto

PorLeonardo Cunha,15 jan 2021 14:17

O Comité Olímpico Internacional (COI) já emitiu uma comunicação a informar que, alem de encorajarem os participantes da próxima edição dos Jogos Olímpicos de Toquio2020 serem vacinado contra o COVID19, esta não será obrigatória.

As manchetes que sugerem prioridade para os atletas surgem numa altura em que o coronavírus está a aumentar devido às novas variantes e as taxas de mortalidade estão a atingir níveis recorde em vários países, com os Jogos Olímpicos a receberem a cidade de Tóquio também a entrar em novo estado de emergência.

Estas manchetes atraíram a atenção e vários atletas da Grã-Bretanha e do Canadá têm reagido nos últimos dias, sublinhando que não gostariam de receber a vacina antes das pessoas que mais precisam. Igualmente o COI afirmou desde o início desta crise que apoia o acesso prioritário a grupos de alto risco e aos trabalhadores da saúde.

Após estas áreas prioritárias, as profissões prioritárias para a vacinação são consideradas questões da política do Governo, embora as consideradas em risco acrescido de exposição, como professores e trabalhadores dos transportes, sejam recomendadas.

Igualmente a disponibilidade da vacina irá variar muito entre países ricos e pobres. Sean Dyche, treinador do Burnley, da Premier League inglesa, ofereceu um vislumbre de um potencial esforço de lobbying nos meses vindouros. Este afirmou que a vacinação dos jogadores de futebol da Premier League poderia potencialmente ser "acelerada". O seu argumento é de que o dinheiro usado nos testes de coronavírus na liga poderia ser usado dentro do sistema de saúde, enquanto argumentava que a Premier League contribuiu bastante para os cofres do Governo através de impostos.

Contrariamente seria que os clubes da Premier League poderiam simplesmente optar por contribuir com o financiamento para um programa de vacinação, independentemente de os jogadores e funcionários serem transferidos para a lista em algum momento no futuro.

Isto reflete-se em alguns dos comentários em resposta à UAE Team Emirates declarando-se como a primeira equipa profissional de ciclismo a ser vacinada, com 27 pilotos e 32 funcionários a tomar as vacinas opcionais no seu campo de treino de pré-época. As vacinas da equipa apoiada pelos Emirados Árabes Unidos seguiram o país que aprovou a vacina sinopharm para uso de emergência em setembro.

Muitos perguntarão se é moralmente correto que o vencedor do Tour de France e a sua equipa recebam vacinas tão cedo. Ainda assim, as vacinas são boas para esses indivíduos. O desporto poderia ter um papel positivo no incentivo aos vacilantes na aceitação das vacinas nos próximos meses.

Embora as vacinas sejam opcionais, parece provável que os adeptos do desporto possam exigir vacinações para voltar aos estádios no futuro, com locais potencialmente a pedir provas aos espectadores. As organizações desportivas poderão desempenhar um papel importante no apoio às iniciativas de saúde pública para impulsionar a captação a este respeito, algo já salientado por muitos estádios que se tornaram centros de vacinação.

O desporto pode aqui ter um papel importante no processo de vacinação contra o COVID19. Não se trata de inverter prioridades, mas sim de tomar o seu papel facilitador para que os grupos de risco estejam protegidos de forma a que as restrições em vigor possam ser aliviadas.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Leonardo Cunha,15 jan 2021 14:17

Editado porAndre Amaral  em  14 mai 2021 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.