​Financiamento do Banco da CEDEAO em Cabo Verde é “insuficiente e não faz sentido”

PorExpresso das Ilhas, Lusa,14 ago 2018 7:22

O presidente da Associação de Turismo de Santiago, Eugénio Inocêncio, lamentou que até hoje apenas um projecto cabo-verdiano tenha recebido o financiamento do Banco de Investimento e Desenvolvimento da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (BIDC).

Eugénio Inocêncio falava ontem aos jornalistas à margem de uma iniciativa do BIDC, que decorre na cidade da Praia, sobre a qual disse ter “expectativas elevadas”.

“A nossa distância física do continente africano é de 500 quilómetros, mas parece muito mais”, afirmou, referindo-se ao que considera ser o pouco investimento que o BIDC tem feito em Cabo Verde.

Segundo afirmou, apenas um projecto em Cabo Verde recebeu até hoje o financiamento desta entidade financiadora da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), da qual Cabo Verde faz parte.

“É insuficiente e não faz sentido”, afirmou, referindo que existem “muitos projectos bons em Cabo Verde que não avançam porque não conseguem financiamento”.

Questionado sobre as áreas em que o financiamento do BIDC poderá ser mais significativo, Eugénio Inocêncio enumerou o turismo e as energias renováveis, além de outros ligados ao mar.

Sobre o valor em carteira que o BIDC terá trazido a Cabo Verde para investir, Eugénio Inocêncio disse ter constado que seria na ordem dos 100 milhões de euros, valor não confirmado oficialmente.

O presidente do BIDC, Bashir M. Ifo, agradeceu a oportunidade de estar em Cabo Verde a divulgar o papel da instituição que dirige e afirmou que vai agora reunir-se com representantes de várias áreas.

Por seu lado, o ministro das Finanças, Olavo Correia, disse que o BIDC tem “todas as condições para ter uma presença mais activa em Cabo Verde, não só ao nível do investimento público, como também privado".

A sede do BIDC fica em Lomé, na República do Togo. A sua intervenção passa por empréstimos de longo, médio e curto prazo, a concessão de linhas de crédito e implementação de acordos-quadro de novo financiamento, operações e serviços de engenharia financeira, entre outros.

Segundo o BIDC, todos os Estados-membros da CEDEAO receberam financiamento deste organismo, cabendo a Cabo Verde um dos mais baixos (2,1%). O Benim foi o que recebeu um montante maior (12,7%) e a Libéria o menor (1,5%).

Para o período 2016-2020, o BIDC tenciona mobilizar 1.223 milhões de dólares norte-americanos. A prioridade actual vai para os projectos regionais com um efeito estruturante nos sectores da infra-estrutura, do transporte e de energia.

Compõem a CEDEAO o Benim, o Burkina Faso, Cabo Verde, Costa do Marfim, a Gâmbia, o Gana, a Guiné, a Guiné-Bissau, a Libéria, o Mali, o Níger, a Nigéria, a Serra Leoa, o Senegal e o Togo.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,14 ago 2018 7:22

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.