Pesidente chinês garante empréstimos a África sem "condições políticas"

PorExpresso das Ilhas, Lusa,3 set 2018 7:06

 Xi Jinping
Xi Jinping

O Presidente chinês, Xi Jinping, afirmou hoje que apoia a inclusão de África no projecto de infra-estruturas internacional lançado pela China, perante líderes e empresários chineses e africanos, garantindo que o investimento de Pequim não tem "condições políticas".

A China "está pronta a reforçar a cooperação" com África, visando "construir um desenvolvimento de alta qualidade, que se ajuste às condições nacionais e seja inclusivo e benéfico para todos", afirmou.

Xi garantiu que o investimento chinês no continente não acarreta "condições políticas", numa reação às acusações de que Pequim deseja aumentar a sua esfera de influência através do plano internacional de infraestruturas Nova Rota da Seda. 

O líder chinês frisou que "a cooperação China/ África", no âmbito da Nova Rota da Seda, é uma "forma de atingir prosperidade comum, com benefícios para ambos os povos". 

"A China não interfere nos assuntos internos de África e não impõe a sua vontade sobre África", apontou. 

O Presidente chinês falava na cerimónia de abertura do Diálogo de Alto Nível entre Líderes e Representantes Comerciais de China e África, que antecede o Fórum de Cooperação China/África (FOCAC). 

Bancos estatais e outras instituições da China estão a conceder enormes empréstimos para projectos lançados no âmbito daquela iniciativa, que inclui a construção de portos, aeroportos, autoestradas ou malhas ferroviárias ao longo da Europa, Ásia Central, África e sudeste Asiático. 

Críticos apontam para um aumento problemático do endividamento, que em alguns casos coloca os países numa situação financeira insustentável. 

O FOCAC traz a Pequim dezenas de chefes de Estado e de Governo do continente africano. Nas vésperas do Fórum, Xi reuniu com dezenas de líderes africanos, incluindo os presidentes de Angola, João Lourenço, e de Moçambique, Filipe Nyusi. 

A cimeira contará com três novos países, incluindo São Tomé e Príncipe, que se junta aos restantes países africanos de língua portuguesa, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique. 

As restantes estreias são o Burkina Faso e a Gâmbia, que elevam assim para 53 o número de nações africanas com relações com a China. 

Desde 2015, a média anual do investimento direto da China no continente fixou-se em 3.000 milhões dólares (2.500 milhões de euros), com destaque para novos setores como indústria, finanças, turismo e aviação. 

O primeiro Fórum de Cooperação China-África aconteceu em Pequim, em 2006, e a segunda edição decorreu na África do Sul, em 2015. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,3 set 2018 7:06

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  23 set 2018 9:19

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.