Preços dos produtos importados aumentaram em 1,4%, em Janeiro de 2020

PorSheilla Ribeiro,21 fev 2020 10:27

Os preços dos produtos importados aumentaram, em Janeiro deste ano, 1,4 por cento (%), valor superior em 3,1 pontos percentuais (p.p.) ao registado no mês anterior.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de variação mensal dos preços dos produtos exportados fixou-se em -0,3%, em Janeiro de 2020, valor inferior em 0,5 p.p., face ao registado no mês anterior.

A taxa de variação mensal registada pelo Índice de Termos de Troca foi de -1,5%, valor inferior em 3,4 p.p. ao de Dezembro.

Em Janeiro de 2020, o índice de preço da importação situou-se em 105,6, tendo conhecido um acréscimo de 1,4%, relativamente ao mês anterior. Por outro lado, os índices, subjacente e voláteis registaram acréscimos de 0,7% e 3,3%, respectivamente, também quando comparados com o mês anterior.

Conforme a mesma fonte, os aumentos dos preços mais expressivos ocorreram em Bens de Consumo (2,9%) justificada com a subida dos preços de produtos alimentares primários (3,0%), Bens de capital (6,4%) explicada pela subida de preços de máquinas (9,2%) e Combustíveis (0,4%), justificada com a subida da única subcategoria denominada Combustíveis (0,4%).

Em termos homólogos, a mesma fonte informa que o índice de preço da importação diminuiu 1,5%, relativamente ao mês de Janeiro de 2019, enquanto os índices subjacente e volátil na importação, registaram decréscimos de 1,4% e o 1,7%, respectivamente.

Quanto aos índices dos preços da exportação, em Janeiro deste ano, o índice de preço situou-se em 100,9, correspondendo a um decréscimo de 0,3%, face ao mês anterior e o índice subjacente na exportação verificou um decréscimo de 0,4% e, o volátil aumentou 0,1% em Janeiro de 2020, face ao mês anterior.

Segundo o INE, a taxa de variação homóloga do índice de preço das exportações situou-se em -4,3%, enquanto comparativamente ao mês de Janeiro de 2019, os índices subjacente e volátil na exportação verificaram decréscimos de 4,4% e 4,0% respectivamente.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,21 fev 2020 10:27

Editado porSara Almeida  em  1 jun 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.