Cabo Verde pode ser o 11º país africano a ter a presença da Coris Holding

PorJorge Montezinho,23 mar 2024 9:11

A sociedade com sede no Burkina Faso foi a escolhida pelo governo português para comprar a participação da Caixa Geral de Depósitos no BCA. Mas ainda falta a luz verde do Banco de Cabo Verde. Até ao momento, não entrou qualquer documentação no Banco Central.

A Coris Holding, com sede no Burkina Faso, foi a escolhida pelo Estado português para a venda dos 59,81% que a Caixa Geral de Depósitos detém no BCA. A resolução foi aprovada em Conselho de Ministros, que optou pela proposta apresentada pela Holding do Burkina Faso em detrimento das propostas apresentadas pelo IIBGroup Holdings, sediado no Bahrein, e do ganês First Atlantic Banke.

Segundo o Jornal de Negócios a venda vai ser feita por um valor a rondar os 70 milhões de euros, como explicou a Caixa Geral de Depósitos em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Caso se venha a confirmar o preço global, este deverá gerar mais-valias da ordem dos 15,795 milhões de euros”, acrescentou a CGD.

Até ao final do ano passado, a Coris Holding estava presente em 9 países africanos – Burkina Faso, Benim, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Guné-Conakry, Mali, Níger, Senegal, Togo – mas em Janeiro deste ano o grupo Coris concluiu o processo de aquisição da subsidiária Société Générale, no Tchade, um processo iniciado em Junho de 2023.

Na altura, o Presidente do Grupo Coris, Idrissa Nassa, declarou: “a finalização deste processo em tempo recorde proporciona ao Grupo Coris a operacionalização da sua marca Coris Bank International no Tchade e a sua entrada oficial na África Central”.

Numa antevisão do que poderá acontecer em Cabo Verde, Nassa, referiu também que: “a implementação das normas do Grupo reforçará a inclusão financeira através da diversidade das suas ofertas aos clientes com uma gama mais ampla de produtos e serviços financeiros e soluções adaptadas às suas necessidades. Os clientes da subsidiária do Tchade beneficiarão de uma transição transparente e continuarão a realizar as suas operações bancárias sem interrupção, que permanecerão inalteradas”.

Já na mensagem para 2024 – no site do grupo – o CEO tinha referido que o desenvolvimento da actividade comercial em África implica uma necessidade perpétua de renovação e adaptação das instituições bancárias.

“Com o seu potencial e o dinamismo dos seus quadros, o Coris Bank International pretende atingir os seus objectivos, estabelecendo as suas subsidiárias no mercado sub-regional e conquistando o mercado africano”, escreveu Idrissa Nassa. A Coris Holding, criada em 2008, com sede em Ouagadougou, é a proprietária do Coris Bank International, que actualmente tem mais de 160 agências, em 69 cidades africanas, e emprega mais de 2.000 colaboradores.

Segundo o último Relatório&Contas divulgado pelo grupo - publicado em 2020 - a Coris Holding tinha, na altura, capitais próprios de 56,7 mil milhões de Francos CFA após 49,3 mil milhões de Francos CFA em 2019, enquanto o passivo corrente ascendia “a 18,2 mil milhões em 31 de Dezembro de 2020, um aumento de 65,2 % em comparação com 2019, e consistia principalmente numa conta corrente associada conta corrente associada e passivos fiscais e de segurança social”.

A história de uma venda

Em 2019, a CGD iniciou um processo de venda da participação no BCA, no âmbito do plano de reestruturação aprovado pela Comissão Europeia, optando por ficar no mercado cabo-verdiano apenas com o Banco Interatlântico, mas a pandemia da Covid-19 acabou por influenciar todo o processo, que não avançou.

A Coris Holding, assim como o IIBGroup Holdings (sediado no Bahrein) e o First Atlantic Bank (do Gana), foram os investidores seleccionados pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) para disputarem a compra da sua participação maioritária no Banco Comercial do Atlântico (BCA). Esta shortlist foi aprovada pelo governo português, em Conselho de Ministros, para a aquisição da participação directa de 54,41% e indirecta de 5,4% (através do Banco Interatlântico) da CGD no BCA – segundo a Resolução do Conselho de Ministros, a CGD recebeu três intenções de aquisição de entre um conjunto de 46 potenciais investidores.

A Resolução do Conselho de Ministros – n.º 108/2023 – definiu também os critérios para a selecção do vencedor da venda directa: o preço vinculativo apresentado, a percentagem de capital que os proponentes pretendem adquirir, o projecto estratégico apresentado para o BCA e a idoneidade e capacidade financeira.

Foi também considerada “a ausência ou minimização de condicionantes jurídicas, laborais, regulatórias, ou económico-financeiras do(s) proponente(s) ou da proposta que dificultem ou impeçam a concretização da venda direta em prazo, condições de pagamento e demais termos que sejam adequados para a salvaguarda dos interesses patrimoniais e financeiros da entidade alienante e para a prossecução dos objetivos da venda”.

O Banco Comercial do Atlântico (BCA) registou lucros de 16,3 milhões de euros em 2022 e tem 34 balcões espalhados pelas ilhas de Cabo Verde.

A concretização da mudança ainda não tem data, uma vez que será ainda necessário proceder a várias formalidades de direito cabo-verdiano e o BCV tem ainda de aprovar a aquisição. Segundo apurou o Expresso das Ilhas, a Coris Holding ainda não fez chegar qualquer documentação ao Banco Central.

“Esta alienação, inserida no plano de reorganização da actividade internacional da CGD iniciado e aprovado em 2017, não se traduz na saída da Caixa Geral de Depósitos do mercado cabo-verdiano, continuando a manter a sua presença naquele país através do Banco Interatlântico, mas contribui para a racionalização da estrutura internacional do Grupo, para o reforço dos capitais próprios do banco, para um maior foco na sua actividade e para a redução do seu perfil de risco”, referiu a Caixa Geral de Depósitos, em comunicado, no dia em que foi seleccionado o comprador. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1164 de 20 de Março de 2024.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Jorge Montezinho,23 mar 2024 9:11

Editado porDulcina Mendes  em  16 abr 2024 21:20

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.