"ADI será chamada em primeira mão a apresentar uma solução de Governo" - Patrice Trovoada

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 out 2018 16:18

Patrice Trovoada
Patrice Trovoada

O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, afirmou-se hoje convicto de que o partido que lidera, Ação Democrática Independente (ADI), será chamado "em primeira mão" para formar Governo e advertiu que os eleitores não escolheram uma coligação da oposição.

"Qualquer que seja o resultado definitivo, quem vence as eleições, sabemos que é a ADI", disse hoje Patrice Trovoada, chefe do Governo cessante, em entrevista à Lusa na capital de São Tomé e Príncipe

A ADI, afirmou, "será chamada em primeira mão a apresentar uma solução de Governo".

Segundo os resultados provisórios das eleições legislativas de domingo, divulgados pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN), a ADI venceu as legislativas por maioria simples (25 mandatos em 55 da Assembleia Nacional), seguindo-se o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), com 23 lugares; a coligação PCD-UDD-MDFM, com cinco eleitos, e ainda dois deputados eleitos como independentes pelo distrito de Caué (sul do país).

O primeiro-ministro já anunciou que vai procurar um entendimento com os deputados de Caué, o que garantiria 27 deputados, menos um que os assentos assegurados pelo MLSTP-PSD e coligação, que fizeram um acordo de incidência parlamentar e com fins governativos.

"Em São Tomé e Príncipe já vi muitas coisas na política. Já vi partidos que perderam mais de 20% de deputados, que passaram a independentes. Já vimos parlamentos dissolvidos e ressuscitados por decretos presidenciais", comentou, apelando: "Vamos ter calma. O jogo político aqui é muito versátil".

Trovoada referiu que "se a ADI criar as condições para governar, a ADI irá governar".

"Eu não tenho nenhum problema em acreditar que o Presidente da República, no exercício das suas responsabilidades, irá, tomando em conta os resultados eleitorais, optar pela solução que melhor garante os interesses do país", disse.

Questionado sobre o apelo que a oposição lançou esta quarta-feira para que o chefe de Estado, Evaristo Carvalho, "queime etapas", recordando que um executivo de Patrice Trovoada "sucumbirá" no parlamento, o presidente da ADI desvalorizou.

"A oposição quer ir para o poder. É normalíssimo. Eu imagino o stress de pensarem que o poder pode escapar por um voto, um mandato, e ficarem quatro anos ainda na oposição. É normal que haja essa excitação e pensam que tudo serve, mas não serve tudo", disse.

Por outro lado, sublinhou, "o povo não escolheu uma coligação MLSTP-PCD-UDD-etc etc".

"O povo não escolheu uma combinazione'. Então vamos ser democratas. Por enquanto, o povo põe, o povo tira", considerou Patrice Trovoada, repetindo uma 'palavra de ordem' utilizada particularmente pela oposição durante a campanha eleitoral.

O governante afirmou que os responsáveis políticos têm agora de "viabilizar" a "situação" que "o povo criou".

"O povo fixa um quadro, se esse quadro é funcional ou não, veremos. E houve casos em que teve de se refazer eleições, para que o povo, que põe e que tira, pudesse de novo explicitar melhor, nas urnas, qual é o cenário que quer para o país", disse, sublinhando: "Eu quero é que se respeite a legalidade".

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 out 2018 16:18

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  14 dez 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.