Bruxelas reage com indiferença ao pedido de renegociação do acordo do Brexit

PorExpresso das Ilhas, Lusa,30 jan 2019 8:29

Sede da Comissão Europeia, Bruxelas
Sede da Comissão Europeia, Bruxelas

​Um profundo silêncio, quebrado apenas por uma declaração do gabinete do presidente do Conselho Europeu e por um ‘tweet’ do coordenador do Parlamento Europeu para o ‘Brexit’, foi a resposta europeia à decisão britânica de renegociar o ‘backstop’.

A União Europeia (UE), nomeadamente a Comissão Europeia, resolveu replicar o alheamento demonstrado pela primeira-ministra britânica, Theresa May, nas últimas semanas, ignorando hoje o seu anseio, corroborado pelo parlamento britânico, de regressar a Bruxelas para renegociar o mecanismo de salvaguarda, o chamado ‘backstop’, para a fronteira irlandesa.

Ao contrário do que aconteceu em 15 de Janeiro, quando a Câmara dos Comuns chumbou o acordo de saída do Reino Unido do bloco comunitário, não houve reacções imediatas, comunicados pré-preparados ou um dilúvio de ‘tweets’ das mais proeminentes figuras da política europeia.

Ontem à noite, em Bruxelas, a resposta reservada a Theresa May e ao parlamento britânico foi um profundo silêncio, amenizado apenas por um comunicado distribuído a (alguns) jornalistas pelo gabinete do presidente do Conselho Europeu.

Na nota, atribuída a um porta-voz de Donald Tusk e não ao próprio, os 27 reiteraram que o acordo de saída, endossado pelos chefes de Estado e de Governo numa cimeira extraordinária em 25 de Novembro, “é e continua a ser a melhor forma de assegurar uma saída ordenada do Reino Unido da União Europeia” e “não é renegociável”. 

A mensagem, tantas vezes repetida, pelo Conselho Europeu, pela Comissão Europeia, pelo Parlamento Europeu – hoje, o seu coordenador para o ‘Brexit’, o belga Guy Verhofstadt, apontou para a inexistência de uma maioria “para reabrir ou diluir” o acordo de saída na assembleia europeia - ou pelos líderes dos outros Estados-membros, parece ainda não ter ecoado em Londres, com o Governo britânico a “fazer orelhas moucas” à indisponibilidade dos seus parceiros europeus para renegociar aquele documento.

Já depois de May ter admitido querer reabrir o texto que acordou em Novembro com a UE, o parlamento britânico aprovou, por 317 votos a favor e 301 contra, uma proposta do deputado Graham Brady que preconiza a substituição do ‘backstop’ inscrito no acordo de saída do Reino Unido do bloco comunitário por “disposições alternativas”, com vista à ratificação daquele texto pela Câmara dos Comuns.

Após a aprovação da emenda, a primeira-ministra britânica voltou a reconhecer, na Câmara dos Comuns, que "não vai ser fácil" convencer Bruxelas a fazer mudanças no acordo de saída na solução para a Irlanda do Norte.

Numa reacção antecipada, os chefes de Estado e de Governo dos países do sul da União Europeia, reunidos em Nicósia (Chipre), subscreveram uma declaração comum em que fecham a porta a uma renegociação do acordo de saída do Reino Unido, defendendo "firmemente" o texto já endossado pelos líderes dos 27.

Esta posição foi subscrita pelo primeiro-ministro português, António Costa, e pelos chefes de Estado e de Governo da França (Emmanuel Macron), Itália (Giuseppe Conte), Grécia (Alexis Tsipras), Malta (Joseph Muscat) e Chipre (Nicos Anastasiades).

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,30 jan 2019 8:29

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  21 out 2019 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.