Sete em cada dez vítimas de tráfico são mulheres e meninas

PorExpresso das Ilhas, ONU News,30 jul 2019 9:22

Crianças venezuelanas atravessam a ponte Simon Bolivar, para entrar na Colômbia
Crianças venezuelanas atravessam a ponte Simon Bolivar, para entrar na Colômbia(Acnur/Siegfried Modola)

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse esta terça-feira que “o tráfico de pessoas é um crime hediondo que afecta todas as regiões do mundo.”

O Dia Mundial de Combate ao Tráfico de Pessoas é celebrado hoje, 30 de Julho. Segundo o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) cerca de 72% das vítimas são mulheres e meninas e o percentual de vítimas infantis mais do que duplicou de 2004 a 2016, chegando perto de 30%.

Em mensagem sobre o dia, Guterres disse que “as vítimas mais comuns são traficadas para exploração sexual” e também “para trabalhos forçados, recrutamento como crianças-soldados e outras formas de exploração e abuso.”

Segundo o chefe da ONU, “os traficantes e grupos terroristas atacam os mais vulneráveis, desde pessoas em situação de pobreza até aqueles que estão em guerra ou que enfrentam discriminação.”

Secretário-geral António Guterres (à direita) saúda Nadia Murad, Prémio Nobel e embaixadora da Boa Vontade pela Dignidade dos Sobreviventes do Tráfico de Seres Humanos da UNODC, antes de debate no Conselho de Segurança (Foto: ONU/Loey Felipe)
Secretário-geral António Guterres (à direita) saúda Nadia Murad, Prémio Nobel e embaixadora da Boa Vontade pela Dignidade dos Sobreviventes do Tráfico de Seres Humanos da UNODC, antes de debate no Conselho de Segurança (Foto: ONU/Loey Felipe)

Guterres lembrou que Nadia Murad, a primeira vítima de tráfico a servir como embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas, recebeu o Prémio Nobel da Paz em 2018 pelas acções realizadas para deter o tráfico e a violência sexual em conflitos.

O secretário-geral afirmou que o “conflito armado, deslocamento, mudança climática, desastres naturais e pobreza exacerbam as vulnerabilidades e o desespero que permitem que o tráfico floresça.”

Sobre os migrantes, disse que “estão a ser visados” e que “milhares de pessoas morrem no mar, em desertos e em centros de detenção, nas mãos de traficantes e contrabandistas que operam seus monstruosos e impiedosos tráficos.”

Guterres destacou, no entanto, “a indiferença quotidiana ao abuso e à exploração” que existe à nossa volta. Segundo ele, “da construção à produção de alimentos e bens de consumo, inúmeras empresas e empresas se beneficiam da miséria.”

O chefe da ONU citou progressos, como a Convenção de Palermo e o Protocolo para Prevenir, Suprimir e Punir o Tráfico de Pessoas, Especialmente Mulheres e Crianças. Disse também que “a maioria dos países tem as leis necessárias em vigor e alguns países realizaram recentemente as suas primeiras condenações”, mas que “é preciso fazer mais para levar as redes de tráfico à justiça e, acima de tudo, garantir que as vítimas sejam identificadas e tenham acesso à protecção e aos serviços de que precisam.”

Os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável incluem metas para prevenir o abuso e a exploração, eliminar todas as formas de violência contra mulheres e meninas e para erradicar o trabalho forçado e o trabalho infantil.

Neste Dia Mundial, Guterres pediu que a comunidade internacional “reafirme o compromisso de impedir que os criminosos explorem implacavelmente as pessoas em busca de lucro e ajudem as vítimas a reconstruírem suas vidas.”

Entre 2003 e 2016, foram identificadas 225 mil vítimas de tráfico. Em mensagem sobre o dia, o director executivo do UNODC disse que existem “muitas, muitas mais vítimas que precisam da nossa ajuda.”

Em anos recentes, a proporção de pessoas que é traficada dentro do seu país aumentou para 58% do total de vítimas. É por isso que o UNODC dedica o Dia Mundial este ano a um apelo para mais acção dos governos.

Yuri Fedotov diz que “combater este flagelo significa construir uma sociedade que não deixa ninguém para traz.” O director executivo pede “aos governos que aumentem as suas respostas e dêem as vítimas o apoio e justiça que merecem.”

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, ONU News,30 jul 2019 9:22

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  27 fev 2020 23:20

pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.