México defende declínio “irreversível” da migração

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 set 2019 7:39

​O chefe da diplomacia mexicana defendeu, na terça-feira, que as medidas do seu Governo conseguiram uma tendência “irreversível” de declínio da imigração ilegal para os EUA, mas Washington insistiu que há “mais a fazer” para conter esse fluxo migratório.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reuniu-se por “cerca de dez minutos” com Marcelo Ebrard, depois do encontro que este teve com uma delegação norte-americana liderada pelo vice-Presidente dos EUA, Mike Pence. 

Segundo Ebrard, citado pela agência espanhola EFE, Trump foi “bastante amigável” e mostrou-se “positivo e grato ao México” pelas suas medidas de imigração, e ninguém na Casa Branca levantou a possibilidade de restabelecer tarifas no país vizinho. 

“O México afirmou que a estratégia mexicana produziu resultados muito importantes para que os fluxos migratórios ocorram de acordo com a lei. Houve uma queda significativa”, disse Ebrard. 

A reunião teve como objectivo acompanhar o acordo de imigração que os dois países alcançaram em Junho, com o qual o México evitou que os Estados Unidos impusessem tarifas sobre todas as suas importações. Após a reunião, Pence escreveu na rede social Twitter que “ainda há mais trabalho a ser feito para garantir a fronteira comum” de uma vez por todas. 

Os dois altos funcionários políticos “concordaram em implementar os Protocolos de Protecção aos Migrantes (PPM) ao máximo”, informou o escritório de Pence, em comunicado. A política de PPM dos EUA, mais conhecida como “Permaneça no México”, permite que Washington devolva ao país vizinho os imigrantes indocumentados que chegam à fronteira e solicitam asilo, para esperarem lá que seus casos sejam resolvidos. Nos EUA, é um processo que pode levar anos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 set 2019 7:39

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 set 2019 19:19

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.