Ministros das Finanças africanos exigem financiamento urgente de 100 mil milhões de dólares para combater a COVID-19

PorExpresso das Ilhas,1 abr 2020 15:56

Os ministros das Finanças da África realizaram, nesta terça-feira, uma segunda reunião virtual com foco nos casos crescentes da COVID-19 no continente. Enfatizaram a necessidade de tomar “todas as ações possíveis para desacelerar e controlar a disseminação da COVID19 no curto prazo.

De acordo com uma nota da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEA), embora os ministros reconheçam as “louváveis” medidas políticas adoptadas pelos governos, ressaltaram que a economia da África está enfrentando uma desaceleração profunda e sincronizada e que pode levar até três anos para ser contornada.

Perante esta situação, a mesma fonte avança que os ministros concordam que o foco imediato deve permanecer na saúde e que é necessário continuar a consciencialização, testes e distanciamento social.

Os ministros apelaram, entretanto, ao alívio da dívida dos parceiros bilaterais, multilaterais e comerciais, com o apoio de instituições financeiras multilaterais e bilaterais, como o FMI, o GBM e a UE, para garantir que os países africanos obtenham o espaço fiscal necessário para lidar com a crise pós-COVID-19.

“O pedido de alívio da dívida, foi enfatizado, deve ser para toda a África e deve ser realizado de maneira coordenada e colaborativa. Pediram a criação de um veículo para fins especiais para lidar com todas as obrigações de dívida soberana”, refere a nota.

Por isso, os ministros apelaram para a necessidade de um período mais longo para o pagamento das dívidas, tendo em conta que economia global entrou em um período de desaceleração sincronizada, com recuperação esperada somente após cerca de 24 a 36 meses.

Os ministros, de acordo com a nota, reconheceram a importância do sector privado para a criação de empregos e o esforço de recuperar.

“Discutiram as enormes perdas ocorridas no sector de linhas aéreas e hospitalidade. Eles pediram a proteção e preservação da indústria aérea, logística e de turismo africanas. Inclusive defendendo a permanência nos pagamentos de juros, arrendamento e dívidas. Este é um importante sector de criação de emprego para milhões de africanos e deve ser protegido”, lê-se.

Desse modo, concordaram em marcar uma reunião para os países afectados pelas perdas de transporte e turismo devido à pandemia, a fim de planear melhor as políticas de combate às perdas.

A reunião foi organizada por Vera Songwe, Secretária Executiva da Comissão Económica para a África, e co-presidida pelos Ministros Tito Mboweni da África do Sul e Ken Ofori-Atta do Gana.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,1 abr 2020 15:56

Editado porSara Almeida  em  6 jan 2021 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.