​Nações Unidas disponibilizam 45 mil contos a Cabo Verde para acções na área de educação

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,21 abr 2018 8:06

Ulrika Richardson, Martiza Rosabal
Ulrika Richardson, Martiza Rosabal

As Nações Unidas vão disponibilizar a Cabo Verde cerca de 45 mil contos para a implementação de ações nas áreas de educação e inclusão, este ano, na sequência da assinatura ontem do Plano Anual de Trabalho.

O Plano Anual de Trabalho foi assinado, na Cidade da Praia, entre a ministra da Educação e da Inclusão Social, Martiza Rosabal, e a coordenadora residente das Nações Unidas em Cabo Verde, Ulrika Richardson, e tem como objectivo apoiar as autoridades nacionais nas respostas às prioridades do país nessas áreas.

Segundo a ministra Maritza Rosabal, esse plano, que vai dar seguimento às acções definidas no Quadro das Nações Unidas de Assistência ao Desenvolvimento e que está alinhado com o Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentado (PEDS), prevê várias acções desde a regulamentação até à elaboração de materiais didácticos e acções de capacitação de professores.

“Nós temos a pequena infância e aqui são acções, sobretudo, para a implementação do sistema de cuidados, sistema de creches. Há desde regulamentação até formações e kits de orientação para trabalhar com as crianças de 0 a 3 anos. Há também acções na área do pré-escolar que também comtemplam acções de capacitação para gestão desta área”, disse.

O ensino básico, a educação especial inclusiva são outras áreas abrangidas nesse plano, que prevê também acções relacionadas com o seguimento e a avaliação do sistema integrado de gestão e informação.

“No fundo, temos aqui dois grandes sectores que estão a ser financiados: o sector da família e da inclusão social e o sector da educação”, realçou.

Da parte das Nações Unidas, a coordenadora residente, Ulrika Richardson, salientou que o documento trata questões de base, que na sua perspectiva são “fundamentais” para reforçar a igualdade de oportunidade.

“O que queremos é que cada criança vá para a escola e para isso temos de saber se de facto em cada concelho, em cada bairro todas as crianças estejam nas escolas e isso exige um sistema de seguimento eficiente, estatísticas”, disse, apontando para as áreas da pequena infância, da inclusão das crianças com deficiência no ensino e do reforço da capacidade de planificação e alargamento do sistema de seguimento.

Ulrika Richardson enquadrou esse plano assinado hoje também na agenda global 2030 e os objectivos de desenvolvimento sustentável (ODS).

O documento foi assinado na presença de um grupo de alunos da Ribeira Grande de Santiago, que estiveram a visitar o Palácio do Governo.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,21 abr 2018 8:06

Editado porFretson Rocha  em  25 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.