Tutela do ambiente ambiciona Cabo Verde sem plástico

PorAilson Martins, Rádio Morabeza,5 jun 2018 15:01

O país tem de fazer um trabalho de educação ambiental na redução da utilização do plástico. Esta posição foi defendida pelo ministro da Agricultura e Ambiente, em declarações aos jornalistas, à margem da VI edição da Feira Municipal do Ambiente, que arrancou hoje, na cidade da Praia.

Gilberto Silva diz que a implementação da lei que proíbe o uso de sacos de plásticos convencionais (em vigor desde 2017) está em curso e é cada vez mais necessário avançar com a redução de utilização do plástico em Cabo Verde.

“[Primeiro] implementar a lei, que já foi aprovada, e cuja a implementação está em curso. Depois, vamos avaliar, vamos procurar reforçar as medidas (...). Vamos ter que avançar para a redução cada vez mais da utilização dos plásticos e, se calhar, um dia, um país sem plástico”, avança.

Relativamente ao aterro Municipal da Paria, Gilberto Silva diz que ainda não foi possível criar um mecanismo adequado para a sua sustentabilidade

“Ainda não conseguimos criar um mecanismo adequado de cobrança no país da taxa de resíduos sólidos, que é fundamental para dar sustentabilidade ao sistema de gestão dos resíduos sólidos. Tecnicamente está-se a trabalhar e estamos em crer que daqui a pouco tempo a Câmara Municipal vai começar a utilizar o aterro sanitário”, antecipa.

No decorrer da VI edição da Feira Municipal do Ambiente, realizada pela Câmara Municipal da Praia, haverá exposições, pintura facial, concurso de artesanato, jogos tradicionais, gincana, jogos educativos, oficina de jardinagem, palestras e actividades culturais, com o envolvimento das escolas da capital.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ailson Martins, Rádio Morabeza,5 jun 2018 15:01

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  22 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.