"Indícios de má gestão , fraude e corrupção" na base da destituição do Conselho Local da Cruz Vermelha em São Vicente

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,17 dez 2018 16:33

1

O presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde, o tenente-coronel Arlindo Carvalho, refuta as acusações do presidente do Conselho Local da Cruz Vermelha em São Vicente. O responsável afirma que a decisão foi uma deliberação do conselho executivo da instituição, baseada em documentos que apontam para alegada má gestão e indícios de suposta corrupção na direcção local.

No sábado, João Paulo da Luz anunciou que o Conselho Local havia sido destituído das suas funções e estava impedido de entrar na sede, em Mindelo. Na altura, o responsável local da Cruz Vermelha disse desconhecer os motivos da medida, que considerou ilegal e contra os estatutos.

Em declarações à Rádio Morabeza, o presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde responde agora que a decisão foi tomada no conselho executivo, perante factos apresentados. 

“Perante os factos colocados em cima da mesa, o conselho executivo decidiu por unanimidade suspender a actual direcção, por um lado, e por outro criar uma comissão de gestão que já está a funcionar. Em terceiro lugar, comunicar às autoridades. Foi isto que aconteceu, sendo certo que do ponto de vista da Cruz Vermelha vamos continuar com o processo. Não houve arrombamentos, não houve assaltos, porque não se arromba em casa própria, O senhor João Paulo teve oportunidade de receber a notificação, enviámos o vice-presidente da CVCV , o senhor secretário-geral, que entrou em contacto com ele, que se mostrou indisponível. O secretário-geral deslocou-se mesmo ao hospital para lhe entregar a notificação da decisão do conselho, também não o recebeu”, afirma.

Segundo Arlindo Carvalho, a Cruz Vermelha possui um conjunto de documentos que apontam para alegados crimes graves.

“Estamos a falar em uso abusivo dos bens da Cruz Vermelha para fins pessoais e familiares, esquemas que indiciam fraude, esquemas que indiciam corrupção e estamos a falar em gestão de projectos para fins próprios. Basta dizer que os centros da terceira idade, que funcionam com os recursos da Cruz Vermelha, a 100 por cento, vêm sendo usados para fins próprios. Até os velhos não foram poupados”, indica.

De acordo com o presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde, os alegados ilícitos do ex-responsável local já estão a ser investigados pelas instâncias próprias.

A partir de agora, uma comissão de gestão vai dirigir a Cruz Vermelha de São Vicente, até à realização das eleições locais, que devem acontecer em meados de 2019.

A Rádio Morabeza e o Expresso das Ilhas tentaram ouvir o ex-presidente do Conselho Local da Cruz Vermelha, em São Vicente, para obter uma reacção às declarações de Arlindo Carvalho. João Paulo da Luz não quis fazer qualquer comentário.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,17 dez 2018 16:33

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  8 set 2019 23:22

1

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.