Cabo Verde e Guiné Equatorial entre países africanos com mais casos de COVID-19 por 100 mil habitantes

PorExpresso das Ilhas, Lusa,30 abr 2020 15:04

1

Cabo Verde e a Guiné Equatorial estão entre os cinco países africanos com mais casos de COVID-19 declarados por 100 mil habitantes, divulgou hoje o Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças da União Africana (África CDC).

“Quando se tem em consideração a população, Djibuti (105), Maurícias (26), Cabo Verde (20), Guiné Equatorial (18) e Seychelles (11) estão a reportar o maior número de casos por 100 mil habitantes”, disse Benjamin Djoudalbaye, do África CDC.

De acordo com o responsável pela diplomacia da saúde e comunicação do África CDC - que hoje substituiu na conferência de imprensa semanal o director John Nkengasong - África do Sul (15%), Egipto (14%), Marrocos (12%), Argélia (10%) e Camarões (5%) mantêm-se como os países africanos com maior número de casos acumulados.

O Egipto regista 380 mortos e 5.268 infectados, a África do Sul conta 103 mortos e 5.350 doentes infectados, enquanto Marrocos totaliza 168 vítimas mortais e 4.321 casos e os Camarões contabilizam 61 mortos e 1.832 infectados.

O maior número de vítimas mortais regista-se na Argélia (444), em 3.848 doentes infectados.

Globalmente, África regista 1.589 mortes, 36.847 infecções e 12.071 doentes recuperados em 52 países.

Números que, segundo Benjamin Djoudalbaye, representam um crescimento de 37% nas infecções no continente na última semana e correspondem a uma taxa de mortalidade de 4,3%.

O responsável do CDC assinalou ainda a existência de nove países africanos com taxas de mortalidade superiores à mortalidade média global de 6,9%, destacando a Argélia (12%), Libéria (12%), Sudão (8%) e Egito (7%).

As ilhas Comores, Lesoto e República Saarauí continuam sem notificar casos de COVID-19.

“Os números estão a aumentar e, se olharmos com atenção, verificamos que vários países duplicaram os seus casos numa semana e não sabemos qual será a trajetória nos próximos dias”, adiantou Benjamin Djoudalbaye.

O responsável do África CDC assegurou que os países estão preparados e que começam a ser perceptíveis os resultados de medidas como o confinamento ou o fecho de fronteiras.

Reconhecendo que número de casos e infecções em África é relativamente baixo quando comparado com a Europa ou Estados Unidos, Benjamin Djoudalbaye apontou como possível explicação o sistema de vigilância do continente habituado a lidar com epidemias.

Questionado sobre a possibilidade de existir sub-notificação do número de casos devido à insuficiência de testes, o responsável do África CDC rejeitou esta ideia.

“Os casos de COVID-19 não são algo que se possa esconder. As pessoas estão a morrer e não se podem esconder os corpos. Se as pessoas têm tosse e febre procuram cuidados, vão aos hospitais e isso vê-se. Não penso que estes números estejam ligados à inexistência de testes”, disse.

Acrescentou que a capacidade de fazer testes está a aumentar e que nas próximas semanas deverá ser possível ter uma visão mais clara da situação em África.

O África CDC lançou uma campanha para acelerar a realização de testes no continente, estimando atingir um milhão de análises nas próximas semanas e 10 milhões até ao final do ano.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,30 abr 2020 15:04

Editado porSara Almeida  em  20 set 2020 23:20

1

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.