​CPLP unida para "ajudar a Guiné-Bissau"

PorExpresso das Ilhas, Lusa,17 jul 2018 7:29

O chefe da diplomacia de Cabo Verde declarou ontem, em Santa Maria, que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) quer trabalhar em conjunto para “ajudar a Guiné-Bissau”, congratulando-se com a actual “estabilidade política”.

“Graças a Deus, a situação política actual na Guiné-Bissau é muito positiva. Há estabilidade política hoje. As eleições [legislativas] já foram marcadas para o dia 18 de Novembro”, disse Luís Filipe Tavares, no final do Conselho de Ministros da CPLP, que antecede a XII cimeira, que decorrerá entre terça e quarta-feira em Santa Maria, ilha do Sal.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, que esta segunda-feira assumiu a presidência do Conselho de Ministros, afirmou que há “vontade política” dos nove países lusófonos para “ajudar a Guiné-Bissau a ultrapassar este momento, que é importante na vida do país”.

O representante das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, embaixador José Viegas Filho, defendeu ontem uma representação "mais robusta" da comunidade lusófona em Bissau, uma hipótese que o ministro disse não merecer “nenhuma reserva” por parte de Cabo Verde.

“Cabo Verde é um país irmão da Guiné-Bissau. Tudo faremos para que a Guiné-Bissau possa ter, em termos de CPLP, uma representação forte. Estamos aqui a hora e meia da Guiné-Bissau, eu posso lá ir todos os dias praticamente. É um assunto que não oferece nenhuma reserva por parte de Cabo Verde”, comentou Luís Filipe Tavares.

Os chefes da diplomacia dos nove Estados-membros aprovaram ontem todas as resoluções propostas, que serão “aprovadas definitivamente” na quarta-feira, segundo e último dia da XII reunião de chefes de Estado e de Governo da CPLP.

“Hoje é um momento histórico, importante. É um momento de viragem da CPLP”, sublinhou.

Uma das propostas é a resolução sobre mobilidade: “Durante a presidência de Cabo Verde vamos trabalhar para darmos um passo, consolidar o passo, dar o passo seguinte e consolidá-lo”.

“Nunca tivemos condições políticas tão boas como agora para avançarmos sobre este dossiê”, comentou o governante cabo-verdiano, salientando a “grande vontade política” dos países da CPLP para concretizar “o sonho das populações dos nove Estados-membros de uma livre circulação de pessoas e bens”.

Tavares garantiu que serão “removidos os constrangimentos” existentes. Um dos entraves que tem sido apontado para avançar sobre esta medida é o facto de Portugal pertencer ao espaço Schengen.

Questionado sobre a proposta dos empresários da CPLP de se avançar, para já, para promover a livre circulação nos países africanos de língua portuguesa (PALOP), o ministro respondeu: “Absolutamente. Estamos dispostos a considerar, tal como na área da cultura e profissões liberais”.

Portugal e Cabo Verde apresentaram no ano passado uma proposta que prevê total liberdade de residência (para trabalhar ou estudar) dos cidadãos lusófonos em qualquer país da comunidade.

Sobre a Guiné Equatorial, Luís Filipe Tavares afirmou que as autoridades manifestaram, durante a reunião, “vontade de cumprir aquilo que foi o compromisso de adesão aquando da entrada da Guiné Equatorial na CPLP”, em 2014, e que previa a abolição da pena de morte e a promoção da língua portuguesa.

Durante a XII conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, com o lema “Cultura, Pessoas e Oceanos”, Cabo Verde vai assumir o exercício da presidência desta organização, durante o período de dois anos.

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste são os Estados-membros da CPLP.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,17 jul 2018 7:29

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  24 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.