Legislativas 2021: PAICV considera que os resultados podem não reflectir a” vontade genuína” do povo

PorExpresso das Ilhas,30 abr 2021 15:09

João Baptista Pereira, Vice-Presidente do PAICV
João Baptista Pereira, Vice-Presidente do PAICV

Para a Comissão Nacional do PAICV, os resultados conseguidos no passado dia 18 de Abril, apesar de serem reconhecidos logo nas primeiras horas podem não reflectir a vontade genuína do povo. Ainda assim, o partido garante que não vai pôr em causa os resultados eleitorais

A posição do partido foi manifestada numa nota de imprensa sobre a reunião da Comissão Política Nacional do partido que aconteceu o passado dia 28, para a análise dos resultados das Eleições Legislativas de 2021.

Segundo o PAICV, os resultados podem não reflectir a” vontade genuína” do povo, que “foi grandemente influenciado e condicionado por um conjunto de actos e omissões da Administração do Estado, que não foi isento e não garantiu a necessária neutralidade exigida” para as eleições, que se querem livres, justas e transparentes.

O partido acusa o Executivo de um conjunto de decisões que subverteram as bases da democracia nacional que tem crescido e qualificado a ponto de se situar entre as 30 melhor avaliadas a nível mundial.

“O MpD não olhou a meios para levar de vencida estas eleições, como se de uma questão de vida ou morte se tratasse, e, através do governo, da Administração Pública, das empresas e institutos públicos, delineou e executou um detalhado e monitorado plano, cujo objectivo essencial consistia na captação do voto do povo, utilizando para tanto formas absolutamente escusas e reprováveis”, lê-se.

De acordo com o PAICV, o governo violou de forma sistemática a lei que proíbe a nomeação de gestores públicos, após a publicação do Decreto Presidencial que marca a data das eleições legislativas, ao nomear dirigentes do seu Partido para o Banco de Cabo Verde, Bolsa de Valores, Parque Tecnológico, entre outros.

O partido acusa o governo ainda de ter pago dívidas de água e energia a famílias vulneráveis, de doar sementes, pesticidas, materiais de irrigação e rações aos agricultores e criadores de gado dentro do período proibido pelo Código Eleitoral.

“Perdoou dividas a muitos devedores do Estado; Aprovou projectos de financiamento, prometeu e concedeu subvenções a particulares até ao último dia da campanha eleitoral; Fez elevadas transferências para Municípios onde o MpD é poder e outras entidades nas vésperas das eleições; Colocou e obrigou a fazer campanha eleitoral todos os dirigentes dos serviços directos e indirectos do Estado”, referiu o PAICV.

Para a Comissão Política Nacional do PAICV, além desses, outros factos ocorreram durante o dia das eleições, como a compra de votos. Por esta razão, o partido anunciou que vai recorrer a todos os meios legais e políticos para apurar os factos e sacar responsabilidades aos prevaricadores e não põe de lado o recurso às entidades judiciais, nomeadamente o Ministério Público.

A pesar das acusações feitas o PAICV reafirma que não vai pôr em causa os resultados eleitorais.

De recordar que nas eleições legislativas de 18 de Abril o MpD renovou a maioria absoluta ao conseguir 38 deputados. O PAICV conseguiu eleger 30 deputados e a UCID 4.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,30 abr 2021 15:09

Editado porAndre Amaral  em  30 abr 2021 15:09

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.