Romeu di Lurdes eleito novo presidente do Partido do Trabalho e da Solidariedade

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,22 ago 2021 14:25

O novo presidente do Partido do Trabalho e da Solidariedade (PTS), eleito hoje no congresso nacional do partido, reafirmou o compromisso de continuar a trabalhar para divulgar a estrutura para mais perto da comunidade.

“Hoje consegui ser eleito como presidente do PTS, é um momento muito bom e de grande salto porque estamos a falar na organização e reestruturação. Agora é dar continuidade, com dedicação (…) para divulgar e levar a estrutura mais perto da comunidade e agregar mais elementos para tornar o partido mais forte e preparado para os próximos tempos”, referiu.

Carlos Lopes, também conhecido por Romeu di Lurdes, candidato único, foi eleito ao cargo hoje de manhã, durante o congresso nacional do partido que decorreu “de forma serena e tranquila” nos dias 21 e 22 na Assembleia Nacional.

“O nosso objectivo é ser um partido extremamente activo, com muita dinâmica que esta sempre ao lado da população e com disposição para trabalhar fora da época eleitoral, cativar a juventude para abraçar esta causa, sendo que é uma estrutura aberta a sociedade e, acima de tudo, defensor do interesse público”, sublinhou.

Carlos Lopes avançou que, enquanto presidente, propôs uma alteração na sigla e apresentou uma nova proposta para o símbolo do partido, porque durante esses anos fez o seu percurso teve o seu impacto, mas podia ser melhor, sendo que hoje o eleitorado é mais exigente.

Carlos Lopes considerou que as alterações vai trazer uma valia enorme na luta do partido para os próximos anos.

“A sigla mantem, PTS, mas passa a ser Pessoas Trabalho e Solidariedade. Propomos alterar o partido por pessoas porque é a causa de tudo isso, está no centro das atenções, e tendo em conta que a imagem anterior reflectia a uma pessoa, achamos por bem trazer a proposta de sol, fonte de energia, que está connosco 365 dias por ano, o que significa que o PTS vai ser um partido presente”, explicou.

Carlos Lopes prometeu ser um presidente com espírito de liderança, de abertura, de diálogo e, acima de tudo, de motivação e de vitória sempre no sentido de terem os cidadãos mais conscientes para uma sociedade mais justa.

Na ocasião, afirmou que o partido não vai apoiar nenhuma candidatura presidencial porque não podem contribuir para que a eleição presidencial se torne numa réplica das legislativas por considerar que é uma candidatura cidadã onde cada elemento livremente deve votar no seu candidato.

“Enquanto partido, não podemos posicionar apoiando alguma candidatura, até porque o partido precisa de uma maratona interna, se reestruturar, criar todas as condições para funcionar normal, mas fazemos um forte apelo ao povo cabo-verdiano a aderir as urnas a exercer a sua cidadania e a escolherem o seu candidato”, apontou.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,22 ago 2021 14:25

Editado porSara Almeida  em  2 jun 2022 23:21

pub.

pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.