PAICV pede imediata intervenção do governo para impedir aumento do preço de electricidade

PorSheilla Ribeiro,8 set 2021 14:35

O PAICV pediu hoje, uma imediata intervenção do governo para impedir ou fazer face a esse aumento justificando que terá efeitos nefastos para as famílias e para as empresas.

Segundo o membro da Comissão Política Nacional do PAICV, Carlos Tavares, o aumento de electricidade em até 37% constitui uma situação preocupante que terá forte impacto na vida das famílias e das empresas que vem sendo confrontados com significativas perdas de rendimento.

“Como é possível em plena situação de pandemia em que o país se encontra, com poder de compra reduzido agravado pelos impactos da pandemia, surgir esse despropositado aumento? A situação de subidas galopantes do preço de energia só se explica com o total falhanço da política energética por parte deste governo e um completo esquecimento dos compromissos eleitorais”, apontou em conferência de imprensa.

Entre os compromissos eleitorais, Carlos Tavares apontou a redução da factura energética na ordem dos 25% ao longo da legislatura, terminada em 2021 e a transformação do sector dos serviços ligados às energias renováveis num setor gerador de empregos e exportador, nomeadamente para a CEDEAO.

Conforme referiu, o aumento do preço da electricidade traz outros aumentos, nomeadamente referente a taxas e impostos associados que aumentarão também na mesma proporção, tornando a factura muito mais cara para os consumidores.

O aumento que vai acontecer a 1 de Outubro, de acordo com o PAICV, atinge o consumo doméstico e a iluminação pública onde faz falta investimentos para melhorar a qualidade da iluminação das ruas e melhorar a qualidade da segurança das pessoas e bens.

“Essa deriva no mercado energético, seria também evitável se no Contrato de Concessão houvesse garantias de serviço público e obrigação das petrolíferas introduzirem medidas de redução de custos e de infraestruturação moderna e mais eficientes. Aliás, em 2016 o actual governo encontrou o contrato negociado e em fase de conclusão. Deve o governo explicar ao país porque é que não o concluíram e se concluíram porque razão não se teve em conta a obrigação de prestação de SP”, disse.

O PAICV acusa o governo de ter imposto à Electra elevados custos com o perdão das dividas, para ganhar as últimas eleições. Nesse sentido, conforme Carlos Tavares, os encargos que deveriam ser assumidos pelo governo estão a ser repassados aos consumidores, famílias e empresas.

“Passadas que foram as eleições legislativas, eis que a verdadeira realidade aparece e a identidade governativa do MPD é colocado a mostra. Aliás, a verdadeira causa do aumento do preço de energia parece ser compensar a Electra pelas perdas provocadas pelas medidas de campanha eleitoral levadas a cabo pelo governo que acumulou dividas elevadas junto da empresa produtora e distribuidora de energia eléctrica”, delatou.

Para o PAICV se o governo considerar os aumentos inevitáveis o mesmo deve agir também com medidas urgentes para amortecer os efeitos deste aumento na vida das pessoas e das famílias.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,8 set 2021 14:35

Editado porAndre Amaral  em  9 set 2021 14:16

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.