Ministério do Mar pretende consolidar políticas no sector das pescas em 2024

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,19 jan 2024 7:40

O ministro do Mar disse hoje que pretende consolidar as políticas em andamento para o sector das pescas, em 2024, mas está a ouvir intervenientes da área para tomar os inputs necessários e melhorar as linhas programáticas do sector.

Abraão Vicente deu esta garantia à imprensa, a propósito do seu encontro com a Associação dos Armadores de Pescas (APESC) e pessoas ligadas ao sector das pescas na sala de conferência da Câmara de Comércio do Barlavento (CCB).

“Ao contrário daquilo que se pensa, nós não podemos andar a criar, a inventar e a abrir portas novas. Nós queremos consolidar as linhas. Temos ainda em funcionamento a linha de retoma pós covid-19, em que nós financiamos cerca de 20 por cento (%) daquilo que é a compra e a reparação de novas embarcações, motores etc. Vamos relançar agora o edital ligado à fibragem dos botes, reforçar as linhas de financiamento através de microcrédito, vamos em alguns casos financiar directamente as associações para que se abrem novas lojas de apoio ao sector”, assegurou.

Segundo o ministro, neste momento, há uma crise a nível de disponibilidade da mão-de-obra no mercado, também a nível de tripulação dos navios e de disponibilidade de matéria-prima para a transformação.

Além disso, ajuntou, houve vários aumentos de combustíveis, de muitos materiais e da própria logística de produção, pelo que “é fundamental ouvir os armadores para perceber como é que o Governo pode criar linhas de apoio ou fomento ao sector”.

Em 2024, acrescentou, o seu ministério também vai continuar com uma “política muito forte” junto das câmaras municipais, de capacitação, de empoderamento e de construção de novas infraestruturas de pesca municipal.

“Vamos em Fevereiro entregar as duas casas do pescador de São Nicolau, praça do pescador, o cais de pesca já está pronto, que de certa forma é o que tem as melhores condições em Cabo Verde, e era para ser entregue em Fevereiro, mas, infelizmente, o primeiro-ministro não estará presente, devido a sua agenda. Mas temos um conjunto de obras e iniciativas que contamos partilhar com os operadores e armadores e receber, com toda a abertura, aquelas que são as recomendações para o próximo ano”, projectou.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,19 jan 2024 7:40

Editado porAndre Amaral  em  19 jun 2024 23:29

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.