Novo disco de Vasco Martins é “ao vivo”

PorExpresso das Ilhas,18 fev 2019 12:28

Capa do novo disco de Vasco Martins
Capa do novo disco de Vasco Martins(Foto: Zé Pereira; Grafismo: Tilden Brito)

Vai estar disponível a partir de amanhã (19) o novo álbum de Vasco Martins, “Arc”, gravado ao vivo junto ao arco que dá nome ao trabalho.

Com mais de 20 títulos na sua discografia, Vasco Martins regista neste álbum mais uma das suas muitas experiências musicais, desta vez um concerto ao vivo gravado a 13 de Outubro de 2018 na praia d’Norte, em São Vicente, onde se situa o arco que dá titulo ao disco, construído sob instruções específicas do próprio músico e onde periodicamente se reúne com amigos próximos.

“Vasco Martins compôs temas novos para o concerto que, depois de serem editados, tiveram a masterização na Inglaterra assinada por Joe Fossard; daí o magnifico som do álbum”, diz a nota de apresentação do disco, descrito como uma “expedição imaginativa, intemporal, mental e espiritual”.

“A capa é simbólica: representa o ‘sonho’ de Vasco Martins que antecedeu à construção do "arc", em 1998: triângulos duplos, galáxias, mar atlântico, simbolismo celta, arco de formato etrusco, cores violeta‐azul, transmitindo também a ‘energia’ e imagética envolvente do concerto, que foi num dia notavelmente tempestuoso”.

Com seis temas originais (um deles em duas versões) e criados especificamente para o concerto – The Ocean is breathing, Infinity days left, Tabalongesim, Arc, Pandion halieatus, Hypnotic route, Tabalongesim (abridged version) – o disco teve lançamento em streaming em Janeiro e a edição física é bastante limitada, estando a partir de amanhã disponível na galeria Alternativa, em Mindelo.

A estética do álbum, segundo a nota de divulgação, é uma aposta nas variações e improvisações, numa tentativa de exprimir o momento do concerto.

“A utilização de instrumentos analógicos aliados aos digitais, favoreceram uma larga palheta timbrica. Sequências, music‐drones, sinfonismo, melodias etéreas, ambientes, concentração não-linear nos improvisos, dinâmicas, downtempo e bpm a 120, fazem de ARC um notável testemunho de Vasco Martins como compositor‐performer”.

O próprio músico defende o uso de sintetizadores que diz que, embora mal compreendidos e usados, podem ser um veículo para a expressão artística.

Quanto a Cabo Verde, está presente no disco pela sua “interligação com o Cosmos (do grego: o todo). Estados de consciência e de percepção, mas também o prazer indizível e infinito da música”.

“Arc” segue-se na discografia do compositor a “Partum Spirales”, lançado em Junho do ano passado.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,18 fev 2019 12:28

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 out 2019 23:21

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.