​Moacyr Rodrigues avisa para a necessidade de se preservar a Morna

PorNuno Andrade Ferreira,15 nov 2019 14:15

Moacyr Rodrigues
Moacyr Rodrigues

O etnomusicólogo Moacyr Rodrigues disse hoje esperar que Abrãao Vicente continue a ser ministro da Cultura, para prosseguir o trabalho iniciado em torno da Morna, candidata a Património Imaterial da Humanidade. Para o especialista, que falava ao Expresso das Ilhas, em São Vicente, há muito por fazer na salvaguarda do género musical.

Uma semana depois de conhecido o parecer favorável do comité técnico independente, Moacyr Rodrigues alerta que o país tem responsabilidades a cumprir.

“É [necessário] provar que a morna é dançada, cantada, que tem um centro, uma Casa da Morna ou, se quisermos, uma espécie de museu”, exemplifica.

“É preciso saber que a morna tem jogado um papel importante na integração dos cabo-verdianos em certas zonas na diáspora”, acrescenta.

A preocupação é partilhada pelos peritos que avaliaram a candidatura e que recomendaram ao governo a aposta na conservação e inventariação do estilo musical.

“Estamos a perder os valores. Os músicos estão a fazer música a correr. Estão a fazer musicas, como diz o cabo-verdiano, encostadas, quer dizer, plagiando certos aspectos da música estrangeira, por exemplo o samba, e não sabem fazer mornas. Não sabem fazer versos”, lamenta o autor do livro O papel da morna na construção da identidade nacional de Cabo Verde, lançado em 2017.

Para o etnomusicólogo, avançar com a candidatura à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) foi uma decisão “corajosa”, uma vez que existem “correntes contra”. Por isso, espera que o actual titular da pasta da Cultura e Indústrias Criativas, Abrãao Vicente, se mantenha em funções, para dar continuidade aos esforços de valorização.

“Eu não sou do partido que está no poder, mas [espero] que o ministro continue no poder, para poder levar a bom termo aquilo que tem a fazer (…) é um entusiasta e é um artista”, deseja.

O dossier da candidatura da Morna a Património Imaterial da UNESCO foi elaborado ao longo dos últimos anos e entregue em Paris, a 27 de Março de 2018. A decisão final deverá ser conhecida entre 09 e 14 de Dezembro, em Bogotá, na Colômbia.

O ministro da Cultura disse à agência portuguesa de notícias, Lusa, que acredita que a elevação é praticamente certa e que “só se acontecer algo muito estranho aos procedimentos da UNESCO” é que a morna não será classificada.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Nuno Andrade Ferreira,15 nov 2019 14:15

Editado porSara Almeida  em  15 dez 2019 13:19

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.