Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

PorExpresso das Ilhas,31 jul 2018 9:47

Venda de acções da Cabo Verde Airlines será feita em três blocos distintos. 51% para o parceiro estratégico, 39% para parceiros institucionais e 10% para trabalhadores da empresa e emigrantes de nacionalidade cabo-verdiana.

O governo anunciou ontem, num comunicado, que a “Unidade de Acompanhamento do Sector Empresarial do Estado (UASE) já recebeu aproximadamente 20 manifestações de interesse espontâneas de empresários e empresa nacionais, mas também de investidores estrangeiros, alguns deles com grandes investimentos já realizados no país” para a entrada no capital da companhia aérea nacional.

Quanto aos trabalhadores e emigrantes, conforme esclarece o governo, é-lhes reservado “um bloco de 10% das acções, podendo beneficiar de um desconto de 15% do preço por acção. Esse direito de aquisição conferido aos trabalhadores e emigrantes deve ser exercido no prazo máximo de 30 (trinta) e 60 (sessenta) dias, respectivamente, a contar da data de início da operação de venda das acções, sob pena de caducidade desse direito. Caso não tenham interesse, após o prazo acima mencionado, as acções sobrantes poderão ser vendidas pelo Estado aos investidores ou ao parceiro estratégico, nos termos no DL” que regulamenta o processo de privatização.

Já o parceiro estratégico, como é sabido, tem direito a 51% do capital da empresa. Uma percentagem que será vendida directamente a “uma sociedade comercial com experiência relevante no transporte aéreo internacional de passageiros, conjugado com a experiência técnica e de gestão no sector da aviação, idoneidade e capacidade financeira, de acordo com os objectivos estratégicos fixados no processo de privatização dos TACV., S.A.”

Ou seja, segundo explica o governo, um investidor “que não possua “experiência relevante no transporte aéreo internacional de passageiros” conjugada com “experiência técnica e de gestão no sector da aviação”, não poderá adquirir o bloco de 51% das acções da companhia, pelo que, não poderá nunca exercer o controlo de gestão da companhia e, as acções que ele vier a adquirir por venda directa não poderão ser vendidas a outro parceiro estratégico, de forma automática, por um prazo mínimo de 5 (cinco) e máximo de 10 (dez) anos”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,31 jul 2018 9:47

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  22 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.