​Mais de 1500 embarcações e 4 mil pescadores. Sector das pescas visto à lupa

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,25 out 2022 13:57

Cabo Verde conta com 1463 embarcações de pesca artesanal, 127 semi-industriais/industriais e 36 de recreio. O sector das pescas emprega 3023 pescadores artesanais e 973 semi-industriais/industriais. Dados do quinto Recenseamento Geral das Pescas, apresentados hoje na sede do IMar, em São Vicente.

De acordo com os dados Santiago (42,5%) é a ilha que alberga a maior parte das embarcações semi-industriais/industriais, seguido de São Vicente (22,8%), Santo Antão (10,2%), Sal e São Nicolau (7,9% cada), Fogo (5,5%) e Boa Vista (2,4%). A ilha do Maio não possui este tipo de barcos, cujo tamanho médio a nível nacional é de 11,2 metros e idade média de 15,9 anos. No período em que os dados foram recolhidos, 82,7% dos barcos de pesca da categoria semi-industrial/industrial possuíam registo e, destes, apenas 70% tinham licença para a actividade pesqueira. O sector contava com 973 operadores, todos homens, com idade média de 41 anos.

Quanto às embarcações de pesca artesanais Santiago (33,4%) lidera, seguido de Santo Antão (11,3%), Sal (11,6%), Fogo (10,3%), São Nicolau (8,7%), Boa Vista (7,9%), São Vicente (6%), Brava (5,7%) e Maio (5,1%). Grande parte dos botes utilizados nas fainas pesqueiras são construídos de madeira e fibra, com um comprimento médio de 5 metros e idade média de 9 anos.

No período em que o recenseamento foi feito, 92% desta tipologia de embarcação tinha o registo em dia, e 80,2% possuíam licenças para a actividade que empregava, na altura, pelo menos 3023 pescadores, 99,8% dos quais do sexo masculino e com apenas 12,5% inscritos no INPS.

No que diz respeito aos armadores, do total de 1419 a nível nacional, 91% são de botes, 7% estão na pesca semi-industrial/industrial e 2% nas embarcações de recreio.

Relativamente aos vendedores de pescado, o estudo aponta para um total de 1881 a nível nacional, sendo que 86% são do sexo feminino. Em sentido contrário, dos 135 tratadores de pescado recenseados, 95% são do sexo masculino.

Os dados apresentados referem que existem 36 infra-estruturas portuárias no país e 151 infra-estruturas e serviços de apoio à pesca.

“5º Recenseamento Geral das Pescas alertam para necessidade de investimento no sector”

Presente no acto, o ministro do Mar disse que os dados apresentados permitem aos governos ter um ponto de partida, com qualidade de dados, para poderem definir as políticas para impulsionar o sector das pescas.

“Os números falam e são eloquentes. Mostram uma dinâmica nacional que vai muito para além das decisões políticas que nós tomamos. A inexistência de infra-estruturas de pesca de qualidade que nós precisamos para alavancar o sector pesqueiro, a necessidade de um maior apoio à formação das entidades, das empresas e das personalidades jurídicas ou não que desempenham o seu papel no sector das pescas, a grande discrepância entre o contributo que o sector das pescas dá para a economia e para a exportação nacional face ao baixo investimentos dos últimos 47 anos no sector das pescas e nas infra-estruturas de apoio às pescas”, aponta.

O governante entende que os dados também permitem uma gestão mais focalizada a nível municipal. Neste sentido, alerta os municípios no sentido de terem uma política municipal ligada às orlas marítimas, às pescas e a dotação orçamental para um maior empoderamento do sector do mar e das pescas, em particular.

Abraão Vicente defende igualmente uma maior dotação orçamental para investir na investigação científica, na construção naval, nas infra-estruturas ligadas às pescas, na transição tecnológica do tipo de pesca que se faz no país, assim como na planificação do oceano para além da zona económica especial.

Os dados do recenseamento dizem respeito ao período de 15 a 21 de Novembro de 2021, data da recolha. O processo foi realizado com o apoio técnico do Instituto Nacional de Estatística (INE), sob coordenação do Instituto do Mar (IMar). O financiamento foi do governo, através do Banco Mundial, em cerca de 16 mil contos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,25 out 2022 13:57

Editado porAndre Amaral  em  1 dez 2022 23:28

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.