​Surto de cólera em cidade angolana já afectou mais de 500 pessoas

PorExpresso das Ilhas, Lusa,29 jan 2018 13:11

O surto de cólera que desde Dezembro afecta a cidade angolana do Uíge já atingiu até ao momento pelo menos 513 pessoas, tendo provocado 10 vítimas mortais, informou hoje fonte da autoridade provincial de Saúde.

O surto teve início a 21 de Dezembro e tem atingido cerca de uma centena de habitantes cada semana, mas a ministra da Saúde de Angola disse a 18 de Janeiro que a situação estava controlada.

"Nos últimos dias temos uma redução significativa de casos, isso só quer dizer que as medidas que estão a ser tomadas estão a ser adequadas", disse anteriormente a ministra Sílvia Lutukuta.

Estão em curso campanhas de sensibilização da população para cuidados de higiene e com o consumo de água, mas também no sentido de recorrerem às unidades sanitárias ao primeiro sinal daquela doença.

As medidas de combate à doença levada a cabo pelas autoridades incluem ainda a distribuição de água potável à população, bem como cloro e comprimidos para o tratamento da água.

O surto já obrigou ao reforço das equipas locais de assistência, com médicos das Forças Armadas Angolanas (FAA), da Polícia Nacional de Angola, do Ministério da Saúde e de organizações não-governamentais.

Os casos de cólera foram registados nos bairros Orlando Fonseca, Gai e Candombe Novo, nos arredores da cidade capital da província do Uíge, tendo sido criado um centro de tratamento no hospital provincial e uma unidade de tratamento no hospital municipal de Candombe Velho.

Uma outra epidemia, ocorrida entre Dezembro de 2016 e Janeiro de 2017, afectou mais de 150 pessoas nas províncias de Luanda, Cabinda e Zaire, provocando uma dezena de mortos, o que levou na altura o Governo a aprovar um plano para tentar travar a propagação da doença.

Deste plano constava o tratamento da água potável, o reforço da recolha do lixo, a informação e educação das comunidades, formação de pessoal, a organização e mobilização de serviços clínicos, bem como o aprovisionamento de meios médicos e medicamentos e a biossegurança nas unidades sanitárias.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,29 jan 2018 13:11

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  24 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.