Empresas activam planos de contingência perante risco de Brexit sem acordo

PorExpresso das Ilhas, Lusa,23 jan 2019 17:05

Um número crescente de empresas está a activar planos de contingência para mitigar os riscos do 'Brexit, sobretudo de uma saída sem acordo, com várias a anunciarem essa intenção nas últimas 24 horas, incluindo a centenária P&O Ferries.

AP&O, concessionária que fazem a travessia entre portos britânicos e franceses, vai passar a operar com bandeira cipriota, garantindo que fica sob a legislação europeia.

"Por razões operacionais e contabilísticas, concluímos que o melhor curso de acção é registar de novo os navios para navegarem todos sob a bandeira de Chipre", referiu hoje a empresa fundada em 1837.

Também o grupo japonês Sony indicou que vai transferir a sede europeia de Londres para Amsterdão, garantindo que não sofre "perturbação quando o Reino Unido sair da UE".

Outras empresas, como as redes de lojas de equipamentos electrónicos Dixons Carphone e de produtos para animais de estimação Pets at Home vão começar a intensificar o armazenamento de material para evitar potenciais perturbações na circulação de mercadorias importadas da UE, noticiou o diário The Guardian.

Entretanto, a fabricante de aspiradores britânica Dyson, cujo fundador, o inventor britânico James Dyson, é um proeminente defensor do 'Brexit', revelou na terça-feira a transferência da sede para Singapura.

A decisão foi justificada como uma consequência da "crescente importância da Ásia" nos negócios da empresa, conhecida pelos aspiradores, secadores de mãos e ventiladores.

O director-executivo do grupo, Jim Rowan, garantiu, contudo, que a transferência da sede "não tem nada a ver com o 'Brexit'", a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) marcada para o final de Março, pois esta não terá "qualquer impacto" na actividade do grupo.

A Dyson já estava a desenvolver um carro eléctrico naquele estado-cidade do sudoeste asiático, mas o anúncio foi inesperado porque a maioria da força de trabalho e estrutura está no Reino Unido, onde emprega cerca de 5.000 pessoas.

Hoje, a Confederação da Indústria Britânica (CBI) divulgou que o indicador trimestral de confiança da indústria caiu para -23, o nível mais baixo desde Julho de 2016.

A directora-geral da entidade patronal, Carolyn Fairbarn, "alertou para a necessidade de o parlamento evitar "danos irreversíveis e restaurar a confiança dos empresários", bloqueando uma saída sem acordo.

O parlamento votou na semana passada contra o Acordo de Saída do Reino Unido da UE negociado pelo governo com Bruxelas, agravando o risco de o país sair sem um acordo a 29 de Março, data prevista para o 'Brexit'.

O documento garante um período de transição que mantém o país no mercado único europeu até ao final de Dezembro de 2020, ajudando as empresas a ajustar-se às condições de um novo acordo que será negociado entre as partes.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,23 jan 2019 17:05

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 set 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.