Maduro disponível para dialogar com Guaidó que recusa participar num "falso diálogo"

PorExpresso das Ilhas, Lusa,26 jan 2019 10:40

Nicolas Maduro
Nicolas Maduro

​O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse hoje que, pela paz no país, está na disposição de reunir-se com o opositor Juan Guaidó, que se auto-proclamou Presidente interino da Venezuela, para iniciar “um diálogo nacional”. Guaidó já recusou o convite.

“Estou comprometido com o diálogo nacional. Hoje, amanhã e sempre será comprometido e pronto para ir onde haja que ir. Eu, pessoalmente. Se eu tiver que ir encontrar-me com esse rapaz (…) eu vou”, disse.

Nicolás Maduro falava numa conferência de imprensa no palácio presidencial de Miraflores, durante a qual se referiu ao líder opositor como “uma marioneta” ao serviço dos Estados Unidos e insistiu que a Venezuela está a enfrentar e a desarticular um golpe de Estado dirigido pelos Estados Unidos e seus aliados internacionais.

“Há um golpe de Estado mediático contra a Venezuela, uma grande campanha de desinformação e manipulação contra a revolução bolivariana, muito parecido ao acontecido em 2002”, salientou, aludindo às manifestações registadas naquele ano na Venezuela nos dias 11, 12 e 13 de Abril, pró e contra o regime.

Estas manifestações culminaram num golpe de Estado que afastou temporariamente o falecido líder socialista Hugo Chavez da Presidência, cargo que ocupou entre 1999 e 2013.

“Estou comprometido com o diálogo nacional. Se tiver que reunir-se com esse rapaz, com boné e capuz, no Hotel Humbold (cimo da montanha Waraira Repana, entre Caracas e o Atlântico) às 03:00 da manhã, fá-lo-ei, onde for e como ele quiser, com capuz ou sem roupa”, acentuou.

Por outro lado, frisou que a auto-proclamação de Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela foi uma violação constitucional, porque “não o fez perante um organismo ou uma instituição decente” mas numa praça pública.

Guaidó responde

O auto-proclamado respondeu pouco depois, dizendo que não se prestará a um falso diálogo com o Presidente Maduro.

“Quando a repressão não lhes dá resultado começam com um falso diálogo (…) o mundo e o regime devem perceber que para falsos diálogos, aqui, ninguém está interessado”, disse.

Juan Guaidó falava em Chacao, no leste de Caracas, para centenas de venezuelanos que acorreram à Praça Bolívar, onde decorreu um encontro entre deputados e jornalistas.

“O único elemento possível é o que leve ao fim da usurpação”, salientou Juan Guaidó, que não reconhece o novo mandato presidencial de Nicolás Maduro, iniciado no passado dia 10 de Janeiro.

Segundo Guaidó, “a Venezuela acordou” e vai ter um governo de transição e serão convocadas eleições presidenciais livres.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,26 jan 2019 10:40

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 out 2019 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.