Presidente da Guiné-Bissau viaja para a Guiné Equatorial e Nigéria

PorExpresso das Ilhas, Lusa,10 jun 2019 11:58

1

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, viajou hoje para a Guiné Equatorial para participar num encontro do Fundo da ONU para a Alimentação e Agricultura, seguindo depois para a Nigéria para participar no "Dia da Democracia".

Segundo um comunicado da Presidência guineense, divulgado à imprensa, na Guiné Equatorial José Mário Vaz vai participar com outros chefes de Estado e representantes da comunidade internacional num encontro que visa recapitalizar o fundo fiduciário da FAO.

De Malabo, o chefe de Estado guineense desloca-se para Abuja, a convite do seu homólogo nigeriano, Muhammadu Buhari, para participar no "Dia da Democracia", que se assinala quarta-feira na Nigéria, devendo regressar a Bissau na quinta-feira.

A viagem do Presidente guineense ocorre numa altura em que a Guiné-Bissau vive um novo impasse político.

Três meses depois das legislativas de 10 de Março, o Presidente guineense continua sem indigitar o primeiro-ministro e nomear o novo Governo, alegando o impasse para eleição da mesa da Assembleia Nacional Popular (parlamento), que teve início após a tomada de posse dos novos deputados a 18 de Abril.

Depois de Cipriano Cassamá, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), ter sido reconduzido no cargo de presidente do parlamento, e Nuno Nabian, da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), ter sido eleito primeiro vice-presidente, a maior parte dos deputados guineenses votou contra o nome do coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Braima Camará, para segundo vice-presidente do parlamento.

O Madem-G15 recusou avançar com outro nome para cargo e apresentou uma providência cautelar para anular a votação, mas que foi recusada pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Por outro lado, o Partido de Renovação Social (PRS) reclama para si a indicação do nome do primeiro secretário da mesa da assembleia.

O parlamento da Guiné-Bissau está dividido em dois grandes blocos, um, que inclui o PAIGC (partido mais votado nas legislativas, mas sem maioria), a APU-PDGB, a União para a Mudança e o Partido da Nova Democracia, com 54 deputados, e outro, que juntou o Madem-G15 (segundo partido mais votado) e o PRS, com 48.

O Presidente guineense termina o seu mandato a 23 de Junho.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,10 jun 2019 11:58

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  16 jun 2019 9:19

1

pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.