Missão da CEDEAO destaca clima de "paz e cordialidade" em Bissau

PorExpresso das Ilhas, Lusa,26 nov 2019 6:11

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) considerou esta segunda-feira que as eleições presidenciais de domingo na Guiné-Bissau realizaram-se "num clima de calma e cordialidade" e que os incidentes registados não puseram em causa o processo.

Numa conferência de imprensa num hotel da capital guineense, Bissau, o líder da missão, SoumeylouMaiga, ex-primeiro-ministro do Mali, pediu ainda aos candidatos para que "aceitem a vontade do povo da Guiné-Bissau" e que "qualquer contestação seja feita dentro do quadro legal".

Segundo o responsável, "não foram registados incidentes de maior", apenas ausência de nomes em algumas listas ou falta de tinta indelével em alguns locais, mas que "não puseram em causa o processo".

"As eleições realizaram-se num clima calmo e aprazível", disse o líder da missão da CEDEAO.

Soumeylou Maiga apelou ainda às autoridades eleitorais para que finalizem o processo eleitoral "com equidade, abertura e transparência até à divulgação dos resultados".

Segundo o antigo primeiro-ministro do Mali, registou-se uma "participação importante de mulheres e de jovens" e foram asseguradas condições de segurança, com a presença de "forças nacionais e da Ecomib [força da CEDEAO no país]".

O líder da missão defendeu que "estas eleições são uma etapa crucial na consolidação democrática e deverão normalmente colocar um fim à crise social e política na Guiné-Bissau" e elogiou a "determinação do povo e da comunidade internacional, constantemente ao lado do povo guineense".

No domingo, responsáveis das missões da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da União Africana (UA) consideraram, após o encerramento das urnas, que as eleições foram transparentes e decorreram de forma ordeira e pacífica.

Além dos 60 membros da missão da CEDEAO, estão na Guiné-Bissau 23 observadores da CPLP, 54 da União Africana, 47 dos Estados Unidos da América e várias organizações da sociedade civil guineense lançaram também uma plataforma para monitorizar o escrutínio.

Mais de 760 mil eleitores foram chamados no domingo a votar nas eleições presidenciais na Guiné-Bissau, escolhendo entre 12 candidatos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,26 nov 2019 6:11

Editado porSara Almeida  em  6 dez 2019 16:19

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.