Rússia envia presos de guerra ucranianos para a guerra contra o seu país

PorExpresso das Ilhas, Lusa,9 nov 2023 8:07

A Rússia está a enviar prisioneiros de guerra ucranianos para as linhas da frente no seu país, para lutarem ao lado das forças russas na guerra contra a Ucrânia, divulgou a agência de notícias estatal russa RIA Novosti.

Esta agência de notícias adiantou, na terça-feira, que os soldados juraram lealdade à Rússia quando se juntaram ao batalhão, que entrou em serviço no mês passado.

A agência Associated Press (AP) referiu hoje que não conseguiu confirmar imediatamente a autenticidade do relatório ou dos vídeos divulgados pela agência de notícias, ou se os prisioneiros de guerra foram coagidos a realizar as suas acções.

Quer os militares ucranianos, quer responsáveis pelos direitos humanos, bem como o Ministério da Defesa russo, não responderam imediatamente aos pedidos de comentários da AP.

Especialistas alertaram que tais acções seriam uma aparente violação das Convenções de Genebra, relativas ao tratamento dos prisioneiros de guerra, que os proíbe de serem expostos ao combate ou de trabalhar em condições insalubres ou perigosas -- coagidos ou não.

"As autoridades russas podem alegar que os estão a recrutar numa base voluntária, mas é difícil imaginar um cenário em que a decisão de um prisioneiro de guerra possa ser tomada verdadeiramente voluntariamente, dada a situação de custódia coercitiva", frisou Yulia Gorbunova, investigadora sénior sobre a Ucrânia na Human Rights Watch.

Nick Reynolds, investigador de guerra no Royal United Services Institute, em Londres, acrescentou que "todo o cenário está repleto de potencial para coerção".

Um prisioneiro de guerra, apontou, não tem "uma enorme capacidade de arbítrio" e está numa "situação muito difícil".

Um vídeo da RIA Novosti mostrou os ucranianos a jurarem lealdade à Rússia, segurando armas automáticas e vestidos com uniformes militares para lutar num batalhão nomeado em homenagem ao nobre medieval Bogdan Khmelnitsky, visto como um herói nacional na Rússia por colocar partes da Ucrânia sob o controlo de Moscovo no século XV.

O Instituto para o Estudo da Guerra (ISW, na sigla em inglês), em Washington, destacou que houve relatos anteriores de prisioneiros de guerra ucranianos que foram convidados a 'voluntariarem-se' para o batalhão. Estes estavam alojados na prisão de Olenivka, que explodiu em Julho de 2022.

Moscovo acusou a Ucrânia de destruir a prisão no leste do país com um míssil, mas Kiev culpou Moscovo pela explosão, para encobrir o que alegou ter sido abuso e assassinato de prisioneiros de guerra.

A Rússia também utilizou reclusos das suas próprias prisões para lutar na Ucrânia em troca de uma pena comutada caso sobrevivam.

Também está a tentar reforçar as suas forças com uma "campanha de recrutamento na Ucrânia ocupada", salientou Karolina Hird do ISW.

Ao mobilizar prisioneiros de guerra ucranianos, ao destacar condenados russos e ao recrutar ucranianos que vivem em regiões ocupadas, a Rússia está a aumentar a sua força de combate "sem ter de arriscar as implicações sociais de conduzir uma mobilização geral", acrescentou Hird.

A RIA Novosti noticiou que os ucranianos irão operar como parte de outra unidade no leste da Ucrânia, e o 'site' da unidade referiu que tem cerca de 7.000 combatentes.

Dada a localização da unidade, Hird disse esperar que os prisioneiros de guerra ucranianos fossem enviados para as linhas de frente nas regiões de Donetsk e Zaporijia.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,9 nov 2023 8:07

Editado porAndre Amaral  em  27 fev 2024 23:29

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.