Vigilantes ponderam avançar para greve nacional

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,15 out 2018 15:46

Manifestação dos vigilantes em São Vicente
Manifestação dos vigilantes em São Vicente(Rádio Morabeza)

Os vigilantes das empresas de segurança privada ponderam realizar uma greve nacional para exigir a implementação da Convecção Colectiva de Trabalho e grelha salarial. A informação é confirmada pelo representante do SIACSA no Mindelo, Heidi Ganeto, ao falar à Rádio Morabeza no final de uma manifestação realizada hoje, em São Vicente.

Os vigilantes aguardam desde Janeiro a actualização salarial, conforme acordado em sede de negocial.

“O Governo já recuou e de acordo com um comunicado disse para resolvermos com as empresas que assinaram o acordo. Vamos reunir com as empresas e se não cumprirem iremos agendar uma greve o mais rápido possível. Pensamos que até final do ano poderemos realizar a greve, talvez em meados de Dezembro, caso as empresas não cumpram o acordo. Os vigilantes já estão saturados”, afirma.

Os vigilantes auferem um salário de 13.043 escudos. O Acordo Colectivo de Trabalho (ACT), assinado em Agosto de 2017,  propõe a implementação de uma nova grelha salarial - com o salário mais baixo fixado em 17 mil escudos - o descongelamento das progressões e reenquadramento nas carreiras profissionais.

Heidi Ganeto acusa os sucessivos governos pela situação precária em que a classe se encontra.

“Desde o anterior Governo, que também nunca olhou para a situação dos vigilantes, que os acordos nunca foram actualizados. O Governo tem que fazer a sua parte. Somos cerca de dois mil vigilantes que prestam serviço para as empresas públicas. O governo tem que actualizar o valor dos acordos com as empresas para que estas possam também ter o valor para pagar o salário de acordo com o ACT”, indica.

Para além da reposição do poder de compra dos vigilantes, o documento sugere maior engajamento das entidades fiscalizadoras, eliminar a concorrência desleal existente e melhorar as relações laborais entre as entidades empregadoras e os trabalhadores.

A classe pede a publicação de uma portaria, para que todas as empresas de segurança privada no país cumpram o Acordo Colectivo de Trabalho (ACT).

O ACT estabelece que o montante a ser pago por um posto de 24 horas com quatro homens passe a ser de 180 mil escudos/mês nas ilhas do Sal e de Boa Vista e 150 mil escudos nas outras ilhas, sendo que o salário mínimo dos vigilantes deverá ser de 21 e 17 mil escudos, respectivamente.

Heidi Ganeto alerta que, “por um preço mais baixo”, as empresas que não assinaram o acordo podem vencer um concurso para um posto, em detrimento daquelas que cumprem o Acordo Colectivo de Trabalho.

Para o sindicalista, a valorização do sector vai permitir que as empresas criem condições salariais dignas para os trabalhadores.

Em Maio deste ano, os vigilantes das empresas de segurança privada suspenderam  uma greve de três dias, depois do governo  o ter decretado uma requisição civil. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,15 out 2018 15:46

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  23 mai 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.