Morte de Giovani está associada a um motivo fútil e não a ódio racial, considera PJ portuguesa

PorExpresso das Ilhas,6 jan 2020 0:10

1

A Polícia Judiciária (PJ) de Portugal afasta a suspeita de que a morte do estudante do Instituto Politécnico de Bragança Luís Giovani dos Santos Rodrigues esteja associada a ódio racial, avança o jornal PÚBLICO. O motivo da agressão, que terminou em óbito, terá sido uma futilidade.

A narrativa dos acontecimentos que levaram à morte de Giovani não apontam, para já, para qualquer suspeita de ódio racial.

De acordo com a imprensa lusa, tudo terá começado no bar Lagoa Azul, situado no centro de Bragança. Foi aí que, na noite de 20 de Dezembro, Giovani e três amigos, também cabo-verdianos, terão ido, para uma noite normal de diversão. Na fila para pagar o consumo, de acordo com declarações de um primo de Giovani, ao jornal Contacto, e citadas pelo PÚBLICO, um dos rapazes deu um encontrão não intencional numa rapariga. O namorado dela não gostou.

Dentro do bar, os funcionários trataram de amenizar os ânimos e o grupo de cabo-verdianos ficou algum tempo mais, dentro do recinto. Durante esse tempo, o outro grupo ter-se-á organizado e pegado em cintos, paus e ferros.

“Assim que viraram a esquina para ir para casa, eles caíram todos em cima do amigo mais velho, que está com o corpo cheio de hematomas”, declarou o primo, citado pelo Contacto. “O Giovani foi lá pedir para pararem e antes de acabar a frase levou com uma paulada na cabeça”.

Nessa altura, pararam a agressão e os rapazes fugiram. Metros à frente, apercebendo-se que faltavam alguns bens, eventualmente caídos no meio da confusão, voltaram para trás. "Giovani continuou, sendo posteriormente encontrado caído, já inconsciente, uns 500 metros depois", relata o PÚBLICO.

O rapaz foi conduzido ao Hospital Distrital de Bragança e encaminhado posteriormente para o Hospital Geral de Santo António, no Porto.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) era a autoridade a cargo da investigação do crime, na altura considerado ofensa à integridade física. No dia 31, por volta das 3h, Giovani faleceu e foi então que a PJ assumiu a investigação do caso.

Os suspeitos ainda não estão todos identificados.

Entretanto, a “autópsia é inconclusiva, não esclarecendo se a morte foi provocada pela agressão à saída da discoteca ou pela queda que sofreu depois”, revela também o PÚBLICO, em notícia publicada domingo à noite.

Esse relatório da autópsia feita na Delegação Norte do Instituto de Medicina Legal na passada sexta-feira, veio complicar a investigação, ao colocar a possibilidade de não ter sido a agressão que causou o fatal traumatismo craniano.

Governo português garante que responsáveis por morte de Gionavi serão levados à justiça

Vários representantes dos partidos políticos portugueses já se manifestaram. O Público refere Isabel Moreira, do PS, e José Soeiro, do BE, que questionam a pouca relevância que em Portugal, pelo menos até este fim-de-semana, se deu a esta morte.

Joacine Katar Moreira, deputada do Livre, emitiu igualmente, este domingo, um comunicado de consternação, onde evoca uma “vida interrompida pela violência e pelo ódio, seja ele racial ou outro” e aponta a importância da luta contra ódio, no reforço da democracia.

O Governo português também já reagiu, através do Minsitério dos Negócios Estrangeiros, lamentado a morte Luís Giovani dos Santos Rodrigues e deixando garantias de que os responsáveis serão identificados e levados à justiça.

"Lamentamos profundamente a bárbara agressão de que resultou a morte, em Bragança, de um estudante cabo-verdiano. Os responsáveis serão identificados e levados à justiça", afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal através da sua conta na rede social Twitter.

"Os cabo-verdianos são nossos irmãos e muito bem-vindos em Portugal", acrescentou o MNE, citado pela agência Lusa.

Da parte de Cabo Verde, recorda a Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, pediu este domingo “celeridade” no “esclarecimento cabal” pelas autoridades portuguesas da “trágica” morte do estudante e o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, adiantou também estar a acompanhar, através da Embaixada em Lisboa, os contornos da “morte brutal” do estudante.

O embaixador de Cabo Verde em Portugal, Eurico Monteiro, tinha igualmente pedido a clarificação “cabal” das circunstâncias da morte do jovem.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,6 jan 2020 0:10

Editado porSara Almeida  em  24 set 2020 23:21

1

pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.