Institutos de Saúde Pública da CPLP vão estudar impacto da abertura de escolas

PorExpresso das Ilhas, Lusa,16 set 2020 7:12

Os institutos nacionais de Saúde Pública dos nove Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vão estudar os impactos da abertura de escolas nos indicadores da covid-19, para uma eventual cooperação dos países neste domínio.

A decisão foi tomada esta terça-feira na 6.ª reunião (virtual) da rede institutos nacionais de saúde pública da CPLP e o "objectivo é encontrar formas de cooperação neste domínio, ou mesmo uma estratégia conjunta de actuação, a sugerir aos ministérios da Saúde dos países", disse à Lusa o director de cooperação da comunidade, Manuel Lapão, após o encontro.

Sublinhando que o papel dos Institutos de Saúde Pública é o de aconselhamento das decisões políticas neste sector, Manuel Lapão referiu que outra das questões abordada no encontro e que preocupa estas entidades é o papel que devem ter nos testes à covid-19.

Uma questão que abrange a utilização e tipologia dos testes, assim como a oferta económica.

Outro assunto abordado no encontro de peritos da Saúde da CPLP e que deve ser tema de um seminário, a realizar em finais de Outubro, é a necessidade do equilíbrio entre as medidas para evitar propagação da pandemia aplicadas no trabalho e na vida social, adiantou Manuel Lapão.

Na reunião técnica da Rede de Institutos de Saúde Pública da CPLP foi discutida também a discrepância entre o conhecimento científico sobre a forma como o novo coronavírus se propaga, o volume de informação divulgada sobre o assunto e, por outro lado, o aumento do número de casos.

A conclusão é que há mensagens que não passam, disse Manuel Lapão.

Assim, os institutos vão identificar mensagens que sejam eficazes e dissuasoras de comportamentos de conduzam ao contágio, para depois serem levadas à discussão com a parte política nos Estados-membros.

A CPLP integra Angola, Cabo Verde, Brasil, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, Timor-Leste e São Tomé e Príncipe.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 929.391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infecção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.875 pessoas dos 65.021 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Em África, há 32.795 mortos confirmados em mais de 1,3 milhões de infectados em 55 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Angola lidera em número de mortos e Moçambique em número de casos. Angola regista 139 mortos e 3.569 casos, seguindo-se a Guiné Equatorial (83 mortos e 5.000 casos), Cabo Verde (46 mortos e 4.904 casos), Guiné-Bissau (39 mortos e 2.303 casos), Moçambique (37 mortos e 5.713 casos) e São Tomé e Príncipe (15 mortos e 906 casos).

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,16 set 2020 7:12

Editado porSara Almeida  em  20 set 2020 13:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.