Aprenda Brincando Educa

PorSara Almeida,2 mai 2021 9:16

Foi a 4 de Maio de 2020, durante o confinamento, que a professora Gilda da Luz criou Aprenda Brincando Educa, uma página educativa online. Com o encerramento das escolas, e o processo educacional também ele confinado nas residências dos alunos, a ideia era, primeiramente, auxiliar os pais.

Muitos pais pediam apoio. “Telefonavam e mandavam mensagens”, na verdade a qualquer hora, de manhã cedo a altas horas da noite (“era o momento em que alguns pais podiam ou tinham condições de chamar os professores…”)

“Não tinham o método [de ensino] que o professor tem, então muitos estavam perdidos”, conta esta professora, que soma mais de duas décadas de experiência de ensino.

O tipo de apoio que era prestado, como enviar e corrigir fichas, debitando conteúdos, pareceu-lhe, porém, insuficiente para uma boa interacção e interesse da criança.

“Se na sala de aula, trabalhar apenas com lápis, canetas e cadernos, já não interessa muito aos alunos, ali também não”, pensou. Era preciso, tal como na sala de aula, muita criatividade e uma pitada de “brincadeira”.

E assim começou a lançar sugestões, para os pais criarem o que Gilda chama de “brinquedos”, mas que na realidade são materiais didácticos, de apoio. Depois, orientava na forma como se explora esses materiais, ou seja, na parte pedagógica.

Vídeos

A pandemia foi assim um momento de se lançar num novo desafio. E foi também um momento de muita aprendizagem para a professora Gilda. Hoje o projecto Aprenda Bricando Educa está presente no Facebook, onde conta com mais de 3.700 seguidores, no Instagram, e também no Youtube.

São vários os vídeos já realizados por esta professora. No início, eram directos, mas insatisfeita com o produto final, decidiu gravar. “Mas não sabia o que fazer com aquela gravação”. Valeu-lhe, neste ponto, a ajuda de um professor hoje reformado e da filha, de 11 anos.

Aprendeu assim a editar os vídeos. “Agora faço tudo sozinha. Desde ‘pensar’ o conteúdo, criar os ‘brinquedos’, fazer a gravação, edição, colocar texto, voz, eu é que faço tudo”, orgulha-se.

Aprendeu, pois, muito. E “estou aprendendo a cada dia”, conta.

Mas a página não tem só conteúdos escolares. Para dinamizar e fomentar a interacção, há outras rubricas como a Hora do Parabéns ou o Cineminha em casa, para o qual são escolhidos curtos vídeos que falam de problemáticas como o bullying ou a violência sexual. São temáticas que é importante falar com as criança, mas que muitas vezes os pais não sabem como abordar de forma adequada.

A música também marca presença. Sempre músicas e danças infantis, igualmente adequadas às idades.

Na página são ainda lembradas datas comemorativas, e realizados concursos. Ainda recentemente, por ocasião do Dia do Professor Cabo-verdiano (23 de Abril), para além dos vídeos de homenagem a alguns docentes, foi lançado um concurso para poemas/textos sobre, precisamente, “Ser professor em tempos de pandemia”.

Foram atribuídos dois prémios, mas Gilda lamenta a fraca participação e interacção.

A ideia, no pós-pandemia é continuar o projecto, que começou como uma brincadeira, mas que foi crescendo. Continuar mesmo que este seja um desafio enorme, com significativo custo mensal e trabalho para a autora, pelo que cada vez mais é importante apoios.

No futuro, Aprenda Brincado Educa irá continuar nas redes sociais, e ajudar “outros [professores], do pré-escolar até ao secundário, se for possível, a criarem também páginas do tipo”.

“O objectivo é depois levar essas actividades que eu dinamizo na página às escolas, comunidades. Então o projecto é grande …” e o lema o de sempre: Aprenda Brincando.

Na sala

Desde Novembro que Gilda regressou também à sala de aula, dividindo o seu tempo agora, entre o projecto virtual e o ensino presencial. E partilha, tal como os colegas, o seu testemunho nas aulas presenciais.

Na escola Eugénio Tavares (Praia), onde lecciona há 18 anos, e dá aulas ao 2.º ano. E sente, neste contexto de pandemia, as limitações por ela impostas.

Custa a máscara que tapa tantas expressões e custa o afastamento social.

“São alunos muito pequenos, então esse afastamento, não poder chegar a eles… são alunos que precisam que a professora coloque as mãos em cima das suas mãozinhas, para ajudar a fazer o contorno das letras, que a professora se sente mais perto, sente no colo, faça essas coisas”, entristece-se.

Nesta escola de Achada Santo António, o 1º ciclo tem aulas todos os dias. A escola é grande, e o rácio alunos/sala “não justificava a divisão das turmas”. As aulas decorrem das 8h até cerca do 12h, mas sem intervalo.

A ausência do recreio, a meio da manhã não é de somenos, conhecida que é a importância do mesmo. As crianças ficam mais agitadas. E o desafio para o professor torna-se maior.

“Com os alunos pequenos, nós os professores arranjamos sempre uma estratégia. Às vezes vejo as crianças quase a dormirem dentro da sala. É a hora em que vamos cantar uma musiquinha. Levantar um pouquinho, dançar, fazer um alongamento”, conta. Podem inclusive dar uma voltinha no recreio e voltar.

“É arranjar uma solução, mas não está a ser muito fácil e o pior é que o comportamento muda”, diz.

Da pandemia, além da página, Gilda traz também uma relação mais próxima, por assim dizer, com os pais, através das redes sociais. Mas se agora é muito mais fácil comunicar com todos os pais dos alunos, a verdade é que o feedback, que por altura do confinamento foi bastante positivo, tem vindo a ser muito menor.

“Quando começou a pandemia, os pais mostraram-se preocupados e mostraram interesse em apoiar, mas voltamos às aulas presenciais, e muito pais ‘lavaram as mãos’, como se pensassem ‘Já mandei o meu filho para a escola, agora o problema é da professora. Não digo que é generalizado, mas é assim pelo menos na comunidade onde trabalho”, lamenta a professora.

“Isto é o mais difícil. Nós estamos na escola, a formar, a ter ideias e a colocá-las em prática, mas às vezes faltam os instrumentos de avaliação [e outros] que vêm da parte dos pais”. E como o tempo é limitado, mais do que nunca o trabalho tem de ser conjunto, observa.

Juntos somos mais fortes, é o seu lema, sublinha. Na escola e na Aprenda Brincado. 

Leia também a reportagem: Professores na Pandemia

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1013 de 28 de Abril de 2021. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sara Almeida,2 mai 2021 9:16

Editado porSara Almeida  em  14 mai 2021 12:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.