São-vicentinos marcharam “por uma justiça mais célere e justa”

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,25 set 2021 15:53

Algumas centenas de pessoas manifestaram-se hoje, em São Vicente, “por uma justiça mais célere e justa”. O protesto, organizado pela Sokols 2017, exigiu também a libertação do advogado e deputado da UCID, Amadeu Oliveira, que se encontra detido na Cadeia de Ribeirinha.

A manifestação começou na Praça Dom Luís, com passagens pelo Tribunal da Comarca de São Vicente, ruas de Côco e Fernando Ferreira Fortes, Alto Sentina e Cadeia de Ribeirinha.

Em declarações à imprensa, no final do percurso, Salvador Mascarenhas, representante da Sokols, fez um balanço positivo, embora a participação tenha ficado aquém das expectativas.

“A manifestação ficou aquém das minhas expectativas, vou repensar o meu envolvimento como activista político, mas foi bom. Acho que as pessoas estão a começar a se preocupar com a questão da justiça. Não é um tema fácil. Esperamos que os governantes observem a reforma que o Amadeu Oliveira está a propor, porque a justiça é basilar”, sublinha.

De acordo com Mascarenhas, os próximos passos deverão passar pela promoção de iniciativas, como abaixo-assinados, bem como pela promoção de debates, “de modo a envolver a sociedade civil”.

Lídio Silva, activista e antigo dirigente da UCID, anunciou que uma campanha denominada “por mais e melhor justiça”, promovida por emigrantes cabo-verdianos residentes na Holanda, enviou, na sexta-feira, um abaixo-assinado com 250 assinaturas a várias instituições europeias, nomeadamente ao Parlamento Europeu e a outras instâncias holandesas, entre elas a secção da Amnistia Internacional e do Ministério da Justiça, a denunciar aquilo que classificam “do inferno da não justiça em Cabo Verde”.

Em declarações à Rádio Morabeza, Lídio Silva apontou que a reforma da justiça em Cabo Verde é uma necessidade urgente, sobretudo no que tem a ver com a questão da inspecção judicial, da morosidade e da tramitação processual.

“Todos aqueles pontos são fundamentais e não podem ser dissociados. Aquilo tem de ser posto em prática porque, por exemplo, eu não posso fiscalizar o meu trabalho. Nesta nossa terra, temos muita gente que está pobre e que tem a família destruída por causa da injustiça. Quem tem dinheiro, infelizmente, tem conseguido comprar os decisores da justiça, e isso é grave”, afirma Lídio Silva.

Lídio Silva, juntamente com os activistas Maurino Delgado, Arlinda Brigham e Salvador Mascarenhas, lideram uma petição endereçada aos órgãos de soberania, com vista à adopção de medidas “para uma melhor justiça em Cabo Verde”, que passa pela informatização do sistema judicial, melhoria da inspecção judicial, elaboração de uma lei de tramitação processual, entre outros.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,25 set 2021 15:53

Editado pormaria Fortes  em  30 jun 2022 23:28

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.