Cabo Verde e Portugal querem desenvolver competências e qualificações dos jovens

PorAndré Amaral*,6 dez 2023 12:02

Cabo Verde e Portugal assinaram, esta segunda-feira, um memorando de entendimento para a consolidação do centro de excelência profissional. Em dois anos Portugal vai investir quatro milhões de euros.

Com formação em diversas áreas, o centro de excelência profissional prevê investimentos nas áreas do digital, metalomecânica, construção civil, turismo, transição energética e social.

Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social de Portugal explicou que aquele país “fará aqui, nos próximos dois anos, um investimento de quatro milhões de euros nestes centros de excelência na formação, com o objectivo de chegarmos a duas mil pessoas, e o objectivo é começar já em Janeiro”.

O documento, assinado em conjunto com o ministro das Finanças, Olavo Correia, é, como refere a Lusa, um dos três objectivos de um memorando sobre a mobilidade laboral que os dois países assinaram há um ano, que previa ainda a colocação de um adido português para estas questões em Cabo Verde, o que já aconteceu, e a criação de uma equipa conjunta das inspecções de trabalho para acompanhar os processos.

Por seu turno, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças e do Fomento Empresarial, disse que este acordo vai criar oportunidades que aumentam o emprego para os jovens, permitindo fazer o alinhamento entre a formação, conhecimento, financiamento e oportunidades.

“Nos temos que criar em Cabo Verde e nos próximos anos mais de dois mil empregos novos, qualificados e bem remunerados, temos que aumentar a capacidade da nossa economia, melhorar o ecossistema, mudar os instrumentos para que esses jovens africanos que estão fora dos bens essenciais possam ter essas oportunidades”, apontou Olavo Correia.

Olavo Correia disse ainda que o Governo conta com o apoio dos parceiros para promover no próximo ano uma cimeira de investimentos centrado na juventude, para discutir, analisar e encontrar novas soluções para esses jovens, que segundo o mesmo, têm talentos e querem empreender.

Frisando que centro de excelência é um “conceito”, Olavo Correia, disse que Portugal entra nesta fase como um “acelerador” do que já existe, para criar algo com mais qualidade e para chegar a mais pessoas.

A ideia, prosseguiu, é criar condições para que os jovens cabo-verdianos tenham certificação com reconhecimento internacional, podendo trabalhar no país e em qualquer parte do mundo.

“Mas nós temos que criar condições para que a mobilidade se faça com organização, com planeamento e com estratégia”, indicou o também ministro das Finanças e do Fomento Empresarial, para quem a mobilidade dever ser vista com “uma oportunidade”.

Para isso, entendeu que devem ser criados os instrumentos jurídicos tanto em Cabo Verde como em Portugal.

Quanto ao acordo, disse que é “transformador”, mas não deve ser visto apenas como formação de excelência, mas também capacitação, financiamento e mercado, em que vão ser aproveitados os centros já existentes, mas há possibilidade de construção de novos.

“Hoje, os jovens cabo-verdianos, muitos deles, não pedem um emprego, pedem oportunidade para criarem emprego para si e para os outros”, referiu Olavo Correia, avançando que o acordo envolve ainda formação de formadores, formação à distância e todo o plano curricular.

“Isto é um salto qualitativo importante para os jovens cabo-verdianos, um mar de oportunidades que se vai abrir”, insistiu o membro do Governo, esperando trabalhar ainda com outros parceiros internacionais na área da formação profissional.

A assinatura deste memorando surge numa altura em que uma grande procura de vistos e trabalho por parte de cabo-verdianos para Portugal e também de multiplicação de acções de recrutamento de empresas portuguesas no país, na sequência da ratificação do acordo de mobilidade da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da alteração da lei de vistos em Portugal.

A ministra portuguesa disse que a preocupação foi sempre realizar um trabalho conjunto e próximo com Cabo Verde, considerando, por isso, “crítica” esta aposta na formação profissional nesse país, para que a mobilidade “seja feita da melhor forma possível”.

“Apostando na valorização e nas competências das pessoas, de forma que seja também aqui um grande instrumento de crescimento e desenvolvimento de Cabo Verde”, salientou.

*com agências

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1149 de 6 de Dezembro de 2023. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:André Amaral*,6 dez 2023 12:02

Editado porClaudia Sofia Mota  em  27 fev 2024 23:29

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.