STJ de Cabo Verde e Portugal assinam protocolo virado para o mundo global e tecnológico

PorAndré Amaral*,8 mai 2024 12:14

Juiz presidente do Supremo Tribunal de Justiça de Portugal, Henrique Araújo, está de visita a Cabo Verde. Esta terça-feira os Supremos Tribunais de Justiça de Cabo Verde e Portugal assinaram um protocolo que visa aprofundar as relações para pôr cobro aos desafios colocados à justiça no actual mundo global e tecnológico.

O protocolo, que marca a visita oficial do presidente do Supremo Tribunal de Justiça de Portugal, o juiz conselheiro Henrique Araújo, a Cabo Verde, foi referenciado pelo presidente do Supremo Tribunal de Justiça de Cabo Verde, Benfeito Mosso Ramos, como resultado de “momento de excelência” entre as duas instituições judiciárias que “colocam a sua pedra num edifício que se traduz numa profícua cooperação”.

Mosso Ramos afirmou que vai ser uma cooperação “vantajosa” para os dois países, face à predisposição do STJ de Portugal para partilhar com a sua homóloga cabo-verdiana “a sua rica experiência na evolução da administração da justiça, com progressos significativos na modernização dos tribunais e na sua informatização, bem como na tramitação electrónica dos processos”.

A redução do tempo das pendências dos processos nos tribunais a todos os níveis foi ainda apontada pelo presidente do STJ de Cabo Verde como outro dos objectivos prioritários para a justiça cabo-verdiana, sustentando que os dois países partilham em comum “constituições modernas, que asseguram aos cidadãos o direito de acesso à justiça e à tutela jurisdicional efectiva”.

Isto implica, observou, que a prestação jurisdicional tenha lugar em tempo útil, razão pela qual, disse Cabo Verde está aberto a aprender e a acompanhar a experiência dos que estão mais evoluídos nesta área, sempre com respeito pelas especificidades, ressalvando que internamente existe uma vontade colectiva de se introduzir a modernização no sistema da administração da justiça.

A tramitação electrónica dos processos com implicações directas na redução do tempo das pendências dos processos dos tribunais foi referenciado por Mosso Ramos como essencial para que a justiça cabo-verdiana vá ao encontro das “maiores aspirações dos cabo-verdianos de todos os órgãos de soberania e do legislador”.

“Portugal tem uma experiência positiva nesta área e nós pretendemos beneficiar, partilhar os ganhos conseguidos nessa área”, asseverou, destacando a “importante convergência” que se regista entre os dois países, em torno de princípios estruturantes como o Estado do direito, a separação dos poderes e da independência dos tribunais.

Já o presidente do STJ de Portugal, manifestou a sua honra por estar em Cabo Verde num momento que classificou de “histórico para os dois tribunais”, sublinhando que o protocolo representa o culminar de uma experiência de cerca de três anos, fruto de um trabalho consistente para uma maior abrangência em relação ao princípio estruturante do estado do direito democrático.

O protocolo, realçou Henrique Araújo, aprofunda o relacionamento entre as duas instituições, na medida em que permite trocar ideias, experiências e o aprofundamento naquilo que está “menos bem” no sistema de ambos os países, argumentando que há muitas afinidades nos sistemas judiciários cabo-verdiano e português, o que permite uma maior identificação dos problemas e o caminho para a sua resolução.

Ganhos significativos com tramitação electrónica

Henrique Araújo salientou que a introdução da tramitação electrónica poderá traduzir-se em ganhos “muito significativos” para o sistema judicial cabo-verdiano.

“Será um passo para evitar o problema da morosidade”, notou Henrique Araújo, apontando também a importância das iniciativas legislativas que proporcionem esta realização, uma vez que “nem os tribunais e nem os juízes têm a legitimidade de fazer as leis”.

“Cabe ao parlamento e o poder executivo, que têm essas competências (…) e havendo o compromisso por parte do poder político em relação ao desenvolvimento desta matéria poder-se-á dizer que estamos num bom caminho”, disse o presidente do STJ de Portugal.

Encontro com a ministra da Justiça

Já esta terça-feira foi dia de encontro com a ministra da Justiça.

No final do encontro, Joana rosa referiu que o encontro serviu para a partilha de algumas preocupações, ganhos e desafios com vista a encontrar soluções para melhor funcionamento e modernização do sector.

O encontro, que durou cerca de 40 minutos, teve também como propósito o aprofundamento das relações de cooperação entre as duas instituições judiciais, face aos desafios colocados à justiça no actual mundo global.

Joana Rosa, explicou que foi também possível falar sobre os ganhos conseguidos e os desafios, designadamente a nível da modernização da justiça nos dois países, embora em Portugal, conforme disse, os ganhos a nível das alterações vêm sendo introduzidos há vários anos.

“E nós estamos neste percurso de operacionalizarmos o nosso Sistema de Informação da Justiça (SIJ), modernizar o sector, aproximar a justiça dos cidadãos e torná-la mais célere”, realçou.

*Com Inforpress

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1171 de 8 de Maio de 2024.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:André Amaral*,8 mai 2024 12:14

Editado porAntónio Monteiro  em  18 jul 2024 23:28

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.