Hungria quer liberalização de vistos da UE e Acordo de Parceria Económica para Cabo Verde

PorExpresso das Ilhas, Lusa,8 jun 2021 18:03

O Governo da Hungria defende a “liberalização” da emissão de vistos para entrada de cidadãos cabo-verdianos na União Europeia (UE) e quer ver estabelecido um Acordo de Parceria Económica entre o bloco comunitário e Cabo Verde.

Em entrevista à agência Lusa, na Praia, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comércio da Hungria, Péter Szijjártó, afirmou que a UE deve aumentar o apoio a Cabo Verde na retoma económica pós-pandemia de covid-19, desde logo por duas formas.

“A primeira na liberalização de vistos. Cabo Verde tem uma política forte de proteção das fronteiras, uma política forte ao manter os imigrantes ilegais fora, uma política forte para garantir a segurança aos seus cidadãos. Isto coloca Cabo Verde numa posição de ser elegível para a liberalização de vistos”, afirmou Szijjártó.

“Por isso queremos que a Comissão Europeia dê o passo e avance para a liberalização de vistos para Cabo Verde”, insistiu o ministro húngaro, acrescentando que o Parlamento Europeu também não deve adiar decisões sobre essa matéria.

O chefe da diplomacia húngara realizou hoje uma visita de algumas horas à Praia, durante a qual manteve reuniões com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, e com o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, tendo entregue um donativo de 100 mil doses de vacinas da AstraZeneca contra a covid-19 às autoridades cabo-verdianas, para reforçar o plano de vacinação, no âmbito da parceria estratégica assumida entre os dois países.

“Depois, pensamos, temos quase a certeza, que a União Europeia pode e deve fazer mais no que toca à real assistência económica a Cabo Verde. Por isso, exortamos a Comissão Europeia para um APE [Acordo de Parceria Económica] bilateral com Cabo Verde”, apontou.

O governante acrescentou que o apelo para este acordo é feito porque “actualmente Cabo Verde é refém do bloqueio da Nigéria, a que se faça o APE entre a União Europeia e a CEDEAO [Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que Cabo Verde e Nigéria integram]”.

Estes APE são acordos comerciais bilaterais e de desenvolvimento negociados entre a EU e os países de África, das Caraíbas e do Pacífico (grupo ACP). Permitem abrir os mercados da UE plena e imediatamente, enquanto os países com acordos dentro do ACP apenas abrem parcialmente às importações dos Estados-membros e com longos períodos de transição.

“Enquanto não é possível fazer um APE entre a UE e a CEDEAO, exortamos a União Europeia a fazer um APE bilateral com Cabo Verde”, concluiu Péter Szijjártó.

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, visitou em 2019 Cabo Verde, reforçando as relações entre os governos dos dois países, tendo o primeiro-ministro cabo-verdiano também visitado oficialmente Budapeste.

Visitas oficiais de governantes dos dois países que, segundo o chefe da diplomacia húngara, serão retomadas após a pandemia de covid-19.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,8 jun 2021 18:03

Editado porAndre Amaral  em  27 jul 2021 23:20

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.