Há novo campeão nacional

PorFrancisco Carapinha,26 out 2020 10:59

Terminou, no passado Domingo, o IV Campeonato Nacional Individual Absoluto (CNIA), sagrando o MI Mariano Ortega como novo Campeão Nacional de Xadrez, numa prova em que venceu as sete partidas disputadas.

A prova rainha do xadrez nacional, este ano realizada em moldes diferentes, ou seja, num único torneio (aberto), em vez das habituais fases preliminar e final, decorreu de 15 a 18 do corrente mês, na sala de conferências da Câmara do Comércio do Barlavento, local de excelência para a realização de competições do jogo dos reis.

Em virtude da pandemia, o torneio foi limitado a um número máximo de participantes e, durante o seu decurso, foram observadas diversas medidas de segurança sanitária de forma a mitigar o risco de contágio do COVID-19.

A Federação Cabo-verdiana de Xadrez (FCX) desde muito cedo que tinha apresentado um Plano de Contingência para a modalidade e que as autoridades de saúde nacionais vieram a considerar de bem elaborado e com condições de ser implementado. Ou seja, assegurando a implementação da medidas preconizadas no referido plano, o CNIA tinha “pernas para andar”.

image

Por força das medidas de segurança sanitária, durante a competição foi impedido o acesso de público e todos os participantes, tiveram de usar máscara obrigatoriamente. Quem entrou na sala de jogo, incluindo convidados e imprensa, foi sujeito à medição da temperatura e à desinfecção da mãos com álcool gel. Todas as mesas de jogo tinham dois dispensadores deste produto desinfectante (um para cada jogador) e, no final de cada partida, as peças, os relógios e os tabuleiros, eram desinfectados com um produto próprio para o efeito.

Embora sujeitos a todas estas condicionantes, no final do torneio, os participantes mostraram sinais de satisfação, tendo-se ouvido elogios á FCX pela organização e pela perseverança na divulgação e desenvolvimento do xadrez em Cabo Verde.

Este histórico torneio, primeira e única competição desportiva nacional realizada no nosso país em tempo de pandemia, foi mais um sucesso do xadrez nacional, demonstrando que também conseguimos realizar eventos com nível internacional.

A este respeito, não resisto a copiar o post publicado por Francisco Paco Figas Figueiredo na sua página do facebook:

Lá está!

A Força e a Persistência do Xadrez em Cabo Verde.

Ganham as Brancas.

Ganham as Pretas.

Ganha o Desporto.”

" style="float: left; margin: 0px 10px 10px 0px;

Este CNIA 2020 acabou também por ter um significado especial para mim, pois foi o primeiro torneio presencial que arbitrei como Árbitro Internacional, depois de na Cerimónia de Abertura, o representante do IDJ, ter-me entregue publicamente, o respectivo certificado emitido pela Federação Internacional de Xadrez (FIDE), tornando-me assim, no primeiro e único cabo-verdiano a ostentar o título de Árbitro Internacional de Xadrez.

Relativamente á classificação, depois de novel campeão ter garantido o título na penúltima ronda, ficou guardada para a jornada final, a atribuição dos restantes lugares no pódio. David Anes Monteiro e Célia Rodriguez Guevara, que se defrontaram nessa última ronda, tinham essa decisão nas mãos. No fim da partida entre os dois, a vitória de David Anes acabou por colocá-lo no 2.º lugar, embora com os mesmos 5 pontos da Célia que foi relegada para a última posição do pódio.

Recorda-se como curiosidade que, neste CNIA participaram 20 jogadores, 3 eram do sexo feminino. Foi a primeira vez que a participação feminina disputou o título de campeão Nacional, neste CNIA em que o jogador mais novo tem 12 anos (Jacira Almeida) e o mais velho 67 anos (Carlos Mões).

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 986 de 21 de Outubro de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Francisco Carapinha,26 out 2020 10:59

Editado porAndre Amaral  em  12 mai 2021 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.