“Crescimento é sempre bom”, mas 7% é impossível, dizem economistas

PorAndre Amaral,14 abr 2018 6:29

O INE anunciou recentemente que a economia nacional cresceu 4,7% no último trimestre de 2017 e que, a nível anual, o crescimento não chegará aos 4%. O crescimento médio de 7% ao ano prometido pelo governo, dizem os economistas contactados pelo Expresso das Ilhas, já não é mais que uma miragem.

O Instituto Nacional de Estatística anunciou recentemente que o crescimento da economia nacional no último trimestre de 2017 foi de 4,7% e que a nível anual deverá ficar abaixo dos 4% (previsão de 3,9%).

“Crescimento é sempre bom e passa pelo estímulo ao crescimento que o governo tem propagandeado. Pode passar por aí, por um retorno do investimento feito num clima de optimismo”, aponta António Batista, um dos economistas ouvidos pelo Expresso das Ilhas.

O clima favorável da economia mundial é outra das explicações que Batista avança. “Cabo Verde está muito atrelado à performance internacional e o mundo está a viver uma fase de expansão do PIB em praticamente todos os nossos países parceiros. Isso obviamente que vai contagiar Cabo Verde como sempre fez”, aponta.

Impossível de atingir parece ser a média de crescimento que o governo anunciava no início do mandato. 7% de crescimento médio anual. “Não. Isso não faz sentido porque as reformas que o governo tem feito não são suficientes para isso. E o nosso PIB depende muito dos nossos parceiros lá fora”.

Turismo, a galinha dos ovos dourados

O turismo tem sido apontado como o principal motor da economia nacional. E a verdade é que a sua contribuição para o PIB nacional tem rondado os 20%. No entanto, António Batista destaca que a ausência de um efeito multiplicador interno acaba por ser prejudicial para as contas nacionais.

“Mesmo o turismo, por muito que possa evoluir, ele não tem esse impacto porque nós não temos um efeito multiplicador interno. O turismo pode até evoluir, mas isso implica um aumento no défice externo, porque é mais importação e quando temos mais importação temos menos PIB, isso é óbvio. O impacto do turismo podia ser muito maior, mas com essa inexistência de um factor de multiplicação interna no país isso não é possível”, destaca.

Ainda assim, um crescimento acima da média

Os números do INE ficam, como já foi dito, longe dos valores que o governo pretendia atingir no início da legislatura. Ainda assim, aponta Avelino Bonifácio, “antes de mais é um aumento superior à média de crescimento dos últimos anos. É um aumento superior ao aumento natural da população, o que quer dizer que do ponto de vista do PIB per capita há margem para crescimento, porque se o PIB cresce menos que a taxa de crescimento da população quer dizer que a sua redistribuição por habitante é menor. Neste caso o PIB está a crescer mais que a média de crescimento populacional, ou seja, há margem para o crescimento do PIB per capita”, o que significa uma maior distribuição da riqueza.

7% talvez em 2021

Para Avelino Bonifácio, terá havido, por parte do governo, “algum optimismo exagerado em prever um crescimento médio de 7% ao ano”.

“Eu participei em alguns debates, logo a seguir às eleições, e eu tinha dito que apesar de existir algum potencial seria muito difícil conseguir esse crescimento médio e desde o ano passado que venho dizendo que já não é possível chegar aos 7% de crescimento médio anual”.

Para este economista, talvez em 2021, ano de eleições, seja possível “ter um crescimento de 7%, mas não será um crescimento médio de 7%, porque já teve dois anos de crescimento abaixo de 4%. Para conseguir uma média de 7% nos próximos três anos a economia teria de crescer a 12 ou 13%. isso é impossível, impossível”, destaca.

“Aceitável dinâmica” de crescimento da economia

Para o antigo governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, os números que o INE divulgou mostram que a economia nacional registou, este ano, “uma aceitável dinâmica de crescimento”. “Com efeito, os dados provisórios indicam que a economia terá crescido 3.9 % no último ano, após ter registado um crescimento de 3.8% em 2016. Com isso, estará a crescer em torno do potencial”, acrescenta Burgo numa publicação no seu perfil de Facebook.

O antigo Governador do Banco Central mostra-se convencido que o ano de seca foi o grande entrave a um crescimento económico de maior volume. “Não se pode, porém, ignorar que esse desempenho da economia ocorre num contexto de seca severa, com acentuado impacto negativo na produção agropecuária. Não fosse a seca, o crescimento seria significativamente superior”.

No entanto, ressalva Burgo, “estão ainda por fazer as reformas, nomeadamente no que tange à qualificação dos recursos humanos e regulamentação do mercado de trabalho, à previdência social, à melhoria da eficiência da administração pública, ao desenvolvimento do sistema financeiro e à melhoria da eficiência territorial da economia, que reforçariam significativamente o potencial de crescimento”.

Por último, destaca Carlos Burgo, “infelizmente, não se nota ainda nenhuma alteração significativa a nível do perfil de crescimento da economia. Na realidade, o crescimento continua ainda excessivamente dependente da cobrança de impostos para a expansão da administração pública. Como é evidente, resulta desse facto um risco não negligenciável para a sustentabilidade do actual ritmo de crescimento da economia”.


Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 854 de 11 de Abril de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

PIB INE

Autoria:Andre Amaral,14 abr 2018 6:29

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  20 nov 2018 3:22

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.