​Estado perde controlo da Cabo Verde Fast Ferry

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,9 jan 2019 16:10

2

Navio "Kriola"
Navio "Kriola"(Rádio Morabeza)

O Estado deixou de ser maioritário na Cabo Verde Fast Ferry (CVFF). A empresa de transportes marítimos passou a ser controlada pelos accionistas privados, que detêm agora a maioria das acções (51%). Governo e autarquias passam a deter 45 e 4 por cento, respectivamente.

De acordo com uma nota de imprensa enviada à nossa redacção, a decisão de aumento de capital foi concretizada na última assembleia geral extraordinária da CVFF, ocorrida a 18 de Dezembro último, da qual também resultou um novo conselho de administração, eleito por unanimidade, agora liderado por Andy Andrade, fundador e promotor da companhia.

“Desde logo, Andy Andrade, que foi o primeiro PCA da história da CVFF, retorna a essa condição em posição muito mais fortalecida enquanto accionista maioritário entre os ‘stakeholders’ privados e conta para já com o apoio da totalidade dos accionistas para conduzir esta nova fase da empresa”, lê-se no documento.

Andy Andrade regressa anunciando o pagamento dos últimos juros de 10% dos obrigacionistas do Grupo A, já no dia 2 de Fevereiro, sendo que, garante, até Julho deste ano os investidores desse grupo terão o retorno do investimento feito em 2009.

“Para mim, essa é a melhor parte de ser o fundador da CVFF, cumprir com os compromissos assumidos”, diz o responsável no comunicado.

O novo PCA terá o apoio no conselho de administração do capitão João Nicolau Monteiro (Operações) e de Aniceto Soares (sector financeiro), “naquilo que se espera ser uma nova fase de modernização e consolidação da companhia”.

A nova administração da Cabo Verde Fast Ferry quer modernizar, consolidar e posicionar a companhia como um parceiro sólido na integração social e económica de todas as ilhas. É este o propósito do novo PCA, que diz já ter dado a conhecer aos funcionários a determinação da nova gestão “em fazer face com sucesso aos novos desafios que se impõem, desde logo, a Concessão de Transportes Marítimos”.

“A nova gestão da CVFF conta apresentar já nos próximos 60 a 90 dias uma série de reformas e melhorias operacionais, com foco no atendimento aos clientes e com vista a reforçar a confiança e imagem da empresa como, também, posicionar a CVFF como um parceiro sólido na integração social e económica de todas as ilhas”, acrescenta.

Quanto ao futuro, a nova gestão quer que seja “risonho, para a empresa continue a contribuir e a liderar a ligação marítima entre as ilhas, condição ‘sine qua non’ para a unificação da economia e do mercado”

Com três barcos a operar em todo o país, a administração acredita que a CVFF está melhor posicionado para garantir ligações regulares entre as ilhas, num mercado que espera ter “regras iguais para todos”.

A Rádio Morabeza e o Expresso das Ilhas tentaram ao longo do dia, em diversas ocasiões, ouvir o novo PCA da CVFF e também o Governo, mas até ao momento não foi possível obter qualquer reacção às mudanças na empresa.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,9 jan 2019 16:10

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  16 jun 2019 23:22

2

pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.