Exportações aumentam, mas não travam défice da balança comercial

PorSara Almeida,30 jul 2021 10:11

As exportações cabo-verdianas tiveram um acréscimo de 44,3% no 2º Trimestre de 2021, relativamente ao mesmo período de 2020. As reexportações, por seu turno, subiram 76,6% e as importações registam um aumento de 25,9%. Entretanto, o défice da balança comercial aumentou também (24,7%), conforme os dados provisórios do Comércio Externo hoje revelados pelo Instituto nacional de Estatística.

Neste 2.º trimestres de 2021, de acordo com a mesma fonte, a exportação nacional movimentou 1293 milhares de contos contra 896, relativos ao período homólogo. Tal representa um aumento de e 396 mil contos (44,3%), ou seja, de 44,3% nos valores registados.

Também as importações tiveram um acréscimo passando de 14386 milhares de contos no 2º trimestre de 2020 para 18111.

Contas feitas, há assim um aumento do défice comercial, que era de -13490 milhares de contos, no período homólogo do ano transacto, e é de -16818 no período agora em análise.

As reexportações (que não são contabilizadas na balança comercial), no trimestre homólogo de 2020 tinham-se situado nos 2684 mil contos e passam agora para 4741.

Entretanto, a taxa de cobertura aumentou em 0,9 pontos percentuais.

image

Espanha lidera lista de clientes

A Europa, refere o INE, continua a ser o principal cliente de Cabo Verde, absorvendo cerca de 90,5% do total das exportações cabo-verdianas.

A Espanha lidera o ranking dos principais clientes de Cabo Verde na zona económica europeia, representando 70,0% das exportações no 2º trimestre de 2021. Tal corresponde a um aumento de 7,6 p.p. face ao trimestre homólogo de 2020.

Em segundo lugar está Portugal, com 14,4%, seguido dos Estados Unidos da América, no terceiro posto, com 8,8%. A Itália ocupa a quarta posição com 4,5%.

No que diz respeito aos produtos exportados, a lista é liderada pela categoria Preparados e conservas de peixes, que representam 71,3%. Os Vestuários surgem em segundo lugar com 7,4% do total e os peixes, crustáceos e moluscos na terceira posição com 6,8% diminuindo 17,3 p.p. em relação ao registado no mesmo período do ano anterior.

Europa continua maior fornecedor

“O continente europeu continua a ser o principal fornecedor de Cabo Verde, com 66,9% do montante total, seguido da Ásia/Oceânia (18,3%), da América (9,8), do Resto do Mundo (2,8%) e da África (2,1%)”, lê-se no documento do INE.

Por país, a lista de fornecedores é encabeçada com Portugal, com 43,4% do total, (5,6 p. p. a menos em relação ao mesmo período do ano anterior), seguido da China, Espanha e Países Baixos com respectivamente, 10,4%, 6,9% e 4,9% do total das importações.

Quanto aos bens importados, no 2º trimestre de 2021, todas as categorias de grupo evoluíram positivamente em relação ao mesmo período de 2020.

De acordo com os dados provisórios, os Bens de Consumo continuam a ser a principal categoria económica de bens importados por Cabo Verde, com 42,9%, seguidos dos Bens Intermédios (30,9%), Bens de Capital (14,4%) e Combustíveis que têm um peso de 11,8%, do total das importações face ao mesmo período de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sara Almeida,30 jul 2021 10:11

Editado porAndre Amaral  em  26 out 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.