​“Situação na Guiné-Bissau é uma verdadeira vergonha nacional” – Ordem dos Jornalistas

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,31 jan 2018 15:48

1

Confuso e vergonhoso. É assim que o bastonário da Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau classifica a situação no país.

António Nhaga analisa as últimas actuações das forças de segurança para impedir a realização do congresso do PAIGC, que deveria ter começado na terça-feira.

“O que está a acontecer no nosso país, neste momento, é uma situação verdadeiramente vergonhosa. O que está a acontecer no PAIGC prova que realmente o país está dividido, assim como o partido. Neste momento, posso lhe garantir que a comunidade judiciária também está dividida, há várias providências cautelares. Isto é mesmo confuso, é uma vergonha”, considera.

Após impedir a entrada e saída da sede do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), alegando o cumprimento de ordens judiciais, os agentes da polícia arrombaram as portas da sede do partido vencedor das últimas legislativas e expulsaram do local os militantes que se preparavam para um congresso.

António Nhaga explica que não se sabe quem ordenou este tipo de actuação das forças de segurança. O país está ingovernável.

“O país está ingovernável, não sabe quem é que manda em quem. A polícia, a mando de alguém, vandaliza a porta da sede do PAIGC e expulsa as pessoas. Não se sabe quem é que lhes mandou fazer isto. Os tribunais dizem que não foram eles. Agora, estamos perante uma sociedade em que não se sabe quem é que manda, isso é uma anarquia, é uma verdadeira vergonha nacional”, diz.

Ainda na Guiné-Bissau, o presidente guineense José Mário Vaz ignorou, mais uma vez, o Acordo de Conacri e nomeou Artur Silva como sexto primeiro-ministro em três anos. Artur Silva não é apoiado pelo PAIGC.

O bastonário da Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau aponta a dissolução do parlamento e a convocação de eleições como a saída para a crise política.

“Ninguém reconhece este novo primeiro-ministro. A única saída, a meu ver, é dissolver o parlamento e convocar novas eleições”, defende.

António Nhaga critica aquilo que chama de passividade da comunidade internacional perante a situação política na Guiné-Bissau.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,31 jan 2018 15:48

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  21 set 2018 3:22

1

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.