​Conselho de Segurança adopta resolução sobre processo de paz no Iémen

PorExpresso das Ilhas,22 dez 2018 14:06

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou por unanimidade a resolução que sobre as condições definidas pelas negociações de paz no Iémen, que decorreram recentemente na Suécia.

Os 15 países-membros do órgão da ONU reafirmaram o seu forte compromisso com a unidade, soberania, independência e integridade territorial do país árabe.

O documento mostra também o apoio ao trabalho do enviado especial do secretário-geral para o Iémen, Martin Griffiths.

O Conselho de Segurança declarou que a situação no Iémen continua a representar uma ameaça à paz e à segurança regional e internacional, que só pode ser resolvida através de um processo político inclusivo.

Esta resolução aprova os acordos alcançados pelas partes sobre a cidade e a província de Hodeida e os portos de Hodeida, Salif e Ras Issa. As partes do diálogo também concordaram com um mecanismo de troca de prisioneiros e uma declaração de entendimento sobre a cidade de Taiz

O documento insta as partes a aplicarem o Acordo de Estocolmo com os prazos nele estabelecidos e sublinha a importância no respeito integral de todas as partes do cessar-fogo acordado para a província de Hodeida. A trégua entrou em vigor em 18 de Dezembro de 2018.

Com esta aprovação o secretário-geral da ONU, António Guterres, fica autorizado a estabelecer um grupo de observadores que irá acompanhar a implementação imediata do Acordo de Estocolmo. Guterres terá de informar o Conselho de Segurança, semanalmente, sobre o progresso na implementação desta resolução, incluindo qualquer violação dos compromissos das partes.

As Nações Unidas reiteram a necessidade garantir fornecimentos comerciais e humanitários para todo o país e solicita ao Governo do Iémen e aos combatentes houthis que removam os obstáculos burocráticos aos fluxos de suprimentos comerciais e humanitários, incluindo combustível.

A resolução lamenta a perda de vidas causadas pelo conflito e apela às partes que cumpram o direito internacional. Essas medidas incluem respeitar e proteger as instalações e o pessoal médico e seus meios de transporte, bem como garantir a segurança de alvos civis como escolas e infra-estruturas para distribuir e armazenar alimentos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,22 dez 2018 14:06

Editado porFretson Rocha  em  13 set 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.