Ex-presidente Lula diz-se “optimista”

PorExpresso das Ilhas, Lusa,13 set 2019 7:55

Lula da Silva
Lula da Silva

​O Nobel da Paz em 1980, o argentino Adolfo Pérez Esquivel, e o jornalista espanhol Ignacio Ramonet visitaram na quinta-feira Lula da Silva na prisão e afirmaram que o ex-Presidente brasileiro “está optimista” com o seu “futuro”.

“Lula está muito optimista em relação à perspectiva jurídica no futuro próximo” e “envia uma mensagem de amor e solidariedade a todos os brasileiros e brasileiras”, disse Ramonet a jornalistas ao deixar a sede da Polícia Federal de Curitiba, onde Lula está preso deste Abril passado, por corrupção. No entanto, o também escritor e catedrático de Teoria da Comunicação frisou que o ex-mandatário brasileiro acredita que os juízes que o condenaram “não vão desistir da intenção de mantê-lo na cadeia”. 

“Ele acredita que não foi provada nenhuma culpa contra ele, que é inocente e que tem a força dos inocentes”, acrescentou. Ramonet, que descreveu Lula como “o prisioneiro político mais importante e famoso do mundo”, disse que o ex-chefe de Estado “está em plena forma física” e que foi encontrado “cheio de energia” e “intelectualmente muito vivo”, apesar da sua reclusão. O espanhol também transmitiu um pedido do antigo governante para que a sociedade brasileira continue a mobilizar-se em torno da sua causa. 

Por sua vez, Pérez Esquivel, que já visitou o líder do Partido dos Trabalhadores (PT) em outras ocasiões, disse que Lula foi visto repleto de “energia” e “com muita força”. “Lula quer que reconheçam a sua inocência, que ele não é um criminoso. Ele quer sair com a cabeça bem erguida diante do seu povo e do mundo”, declarou o Nobel da Paz argentino. Esquivel também lembrou que, aproximadamente, dentro de um mês será entregue o Prémio Nobel da Paz, acrescentando que “seria muito importante que fosse entregue a Lula”, cuja candidatura o próprio activista argentino tem promovido. “Lula é um exemplo para os Governos latino-americanos”, afirmou Pérez Esquivel. 

Ramonet e Esquivel revelaram que também conversaram, na hora e meia em que estiveram reunidos, sobre os incêndios na Amazónia, a situação política geral na América Latina e nos Estados Unidos. Lula cumpre pena de oito anos e 10 meses de prisão, ratificada em três instâncias diferentes, pelos crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais, depois de ser considerado culpado de receber um apartamento, em São Paulo, em troca de favores políticos à construtora OAS. 

Sobre Lula pesa ainda outra sentença de 12 anos e 11 meses de prisão, num caso semelhante, mas até agora ditada apenas em primeira instância e ainda não confirmado na segunda, e possui outros processos abertos na justiça por questões de corrupção. 

O ex-presidente sempre declarou ser inocente e ser vítima de uma “perseguição judicial” que procura evitar o seu regresso ao poder. Lula voltou a defender a tese da sua inocência após a divulgação de mensagens que o ex-juíz Sergio Moro, que o condenou em primeira instância e que agora é ministro da Justiça no Governo de Jair Bolsonaro, trocou com procuradores da operação anti-corrupção Lava Jato, que levou o governante à prisão. Essas conversas, realizadas via aplicação Telegram e publicadas pelo portal The Intercept Brasil, especulam que Moro coordenou e orientou ilegalmente o trabalho dos procuradores, colocando em causa a imparcialidade de Lava Jato.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,13 set 2019 7:55

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  12 nov 2019 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.