Sissoco Embaló quer acumular Presidência com Ministério dos Negócios Estrangeiros

PorExpresso das Ilhas, Lusa,18 nov 2019 6:11

sissoco
sissoco

​O candidato do Movimento para a Alternância Democrática da Guiné-Bissau às presidenciais de 24 de Novembro, Umaro Sissoco Embaló, disse que se vencer as eleições vai acumular o cargo de Presidente com o de chefe da diplomacia guineense.

"Serei ao mesmo tempo Presidente da República e Ministro dos Negócios Estrangeiros. Eu é que vou ditar a política externa da Guiné. Temos de resgatar a imagem da Guiné, temos de dignificar e fortificar a política externa da Guiné-Bissau, como fiz quando era primeiro-ministro, e por isso a Guiné-Bissau tem de ser um país de respeito, de gente boa e de pessoas dignas, com princípios. Não é um país onde o Presidente da República parece uma Presidente da República das bananas", afirmou Umaro Sissoco Embaló em entrevista à Lusa.

Questionado sobre como vai ser a sua relação com o Governo de Aristides Gomes, o candidato apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática da Guiné-Bissau (Madem G15) salientou que aquele Governo foi demitido.

"O Presidente da República exonerou o Aristides Gomes, em consequência também o Governo. O que vou fazer é convidar de novo o PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde, vencedor das legislativas) a indicar-me, sugerir um nome, mesmo que seja o de Domingos Simões Pereira. Eles é que têm uma maioria relativa, mas o Aristides já não é Governo para mim, porque quem nomeia, exonera e dá posse é o Presidente da República", disse.

Na entrevista à Lusa, o general na reserva criticou também a permanência da força de interposição da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) no país (Ecomib) e condenou a sua utilização pelo atual chefe de Estado, José Mário Vaz, e pelo líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira.

"Para mim é uma traição à pátria. Aceitarmos tropas estrangeiras na Guiné-Bissau, isso é grave", afirmou.

Sobre as decisões tomadas na cimeira extraordinária da CEDEAO sobre a Guiné-Bissau, realizada no dia 08 no Níger, o antigo primeiro-ministro disse que condenou "vigorosamente" as decisões.

Os chefes de Estado da CEDEAO decidiram reforçar a presença da força de interposição Ecomib no país e advertir o Presidente guineense, José Mário Vaz, de que qualquer tentativa de usar as forças armadas para impor um ato ilegal será "considerada um golpe de Estado", depois de o chefe de Estado ter exonerado o Governo de Aristides Gomes e nomeado um outro liderado por Faustino Imbali, que acabou por se demitir na sequência de ameaças de sanções.

"A Guiné-Bissau é um membro de pleno direito da CEDEAO. Não é a CEDEAO que tem de inverter a nossa Constituição. Primeiro é a Constituição e depois a CEDEAO. A comissão da CEDEAO não tem essa competência, mas como felizmente vou ganhar as eleições, quando eu lá chegar, ponho tudo no lugar", disse Umaro Sissoco Embaló.

"Não podemos aceitar a invasão da tropa estrangeira, não negociamos a independência, proclamámos a nossa independência, a Guiné-Bissau é um país soberano", acrescentou.

Na mesma entrevista à Lusa, realizada em Caió, a cerca de 100 quilómetros de Bissau, e onde foi feita uma das maiores apreensões de cocaína da história do país, o candidato apoiado pelo Madem G15 disse que é um homem de paz, de concórdia, mas que se for eleito Presidente não terá lugar no país para bandidos e marginais.

Assim, Umaro Sissoco Embaló sugere a pena de morte para traficantes de droga caso seja eleito Presidente da Guiné-Bissau.

"Os bandidos? Tenho lugar para eles na cadeia. Os marginais? Tenho lugar para eles na cadeia. Droga? Eu vou mesmo sugerir a pena de morte para os traficantes se for eleito. Para mim é intolerante, não podemos estar aqui a banalizar uma sociedade a traficar drogas. Aqui não é a Colômbia e a gente conhece as pessoas que traficam droga. As pessoas que utilizam a Guiné-Bissau como passagem de droga. Haverá pena de morte para essas pessoas", afirmou Umaro Sissoco Embaló.

A Guiné-Bissau realiza eleições presidenciais em 24 de Novembro, estando a segunda volta, caso seja necessária, marcada para 29 de Dezembro.

Participam na campanha eleitoral, que termina em 22 de Novembro, 12 candidatos aprovados pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,18 nov 2019 6:11

Editado porSara Almeida  em  6 ago 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.