Guiné-Bissau “não pode ser uma democracia em que todos querem saltar ao poder” - analista

PorNuno Andrade Ferreira,22 nov 2019 6:11

​O bastonário da Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau, António Nhaga, defende que a estabilização política do país depende da capacidade que vier a ser demonstrada pelo futuro Presidente da República no combate aos “micropoderes” existentes em torno das instituições do Estado.

De acordo com o jornalista, a chave para os próximos anos está na forma como o futuro Chefe Estado escolher exercer o mandato.

“A democracia guineense nasceu de forma atrofiada e cheia de vícios. O que pode acontecer é que estas eleições não sejam o elemento de estabilização do país”, comenta.

“Há micropoderes. O próximo Presidente da República deve desincentivar os pequenos movimentos, que durante cinco anos viveram perto do poder e beneficiaram do poder. Se não conseguir isso, vai ser difícil conseguirmos estabilizar o país”, antecipa.

Mais de 700 mil guineenses votam domingo, 24 de Novembro, para escolher o inquilino do palácio presidencial. Doze candidatos disputam a eleição, entre os quais o actual Presidente, José Mário Vaz. A campanha termina hoje (22). Uma possível segunda volta está agendada para 29 de Dezembro.

O candidato apoiado pelo segundo maior partido guineense, Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15), Úmaro Sissoco Embaló, denunciou nos últimos dias uma alegada tentativa de fraude, protagonizada pela principal força política, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que apresenta a votos o seu líder, Domingos Simões Pereira. Sissoco pondera não aceitar os resultados.

Ao Expresso das Ilhas, António Nhaga admite a possibilidade de contestação do escrutínio. Para o bastonário da Ordem dos Jornalistas, só isso poderá comprometer o normal andamento do processo eleitoral.

“As condições estão reunidas. Mesmo a nível das Forças Armadas e da Ecomib [destacamento militar da CEDEAO, estacionado em Bissau], não há nenhuma relação de tensão. Onde pode haver problemas é na aceitação dos resultados eleitorais. Estão-se a tentar criar condições para não se aceitar os resultados”, teme.

Palácio da Presidência
Palácio da Presidência

Depois de cinco anos de permanente tensão política entre partidos, parlamento, governo e Presidência, a expectativa na capital guineense é de confirmação de um novo ciclo, aberto com as eleições legislativas de Março, que resultaram na nomeação de um governo de coligação, liderado pelo PAIGC e encabeçado por Aristides Gomes. Espera-se que a eleição do Presidente da República signifique um virar de página definitivo.

“Queremos estabilização. O próximo Presidente da República deverá desincentivar este vício de pessoas que não querem prestação de contas. Há pessoas que não querem o funcionamento das instituições e nós não podemos continuar nisto. Não pode ser uma democracia em que todos querem saltar ao poder, a bel-prazer, por vias não democráticas”, declara António Nhaga.

A 24 de Novembro, a Guiné-Bissau escolhe o quinto Chefe de Estado eleito democraticamente.

Os deputados cabo-verdianos, Georgina Gemiê (MpD) e João Baptista Pereira (PAICV) estão em Bissau, integrados na missão de observadores da CPLP. 

*com Fretson Rocha (Rádio Morabeza)

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Nuno Andrade Ferreira,22 nov 2019 6:11

Editado porSara Almeida  em  11 ago 2020 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.