​Pandemia já causou mais de 2,5 milhões de mortos em todo o mundo

PorExpresso das Ilhas, Lusa,28 fev 2021 16:47

A pandemia do novo coronavírus matou pelo menos 2.526.075 pessoas em todo o mundo, desde que a Organização Mundial de Saúde registou o inicio da doença no final de Dezembro de 2019, segundo informação recolhida hoje pela agência AFP.

Mais de 113.758.510 casos de infecção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia, dos quais pelo menos 69.695.100 foram considerados curados.

Os números têm por base relatórios diários das autoridades de saúde de cada país e excluem revisões posteriores.

No sábado, foram registados mais 8.713 óbitos e 395.666 novos casos em todo o mundo. Os países que registaram o maior número de novos óbitos nos seus relatórios foram os Estados Unidos da América com 1.849 mortes, Brasil com 1.286 e o México com 783.

Os Estados Unidos da América (EUA) são, em números absolutos, o país mais afectado em termos de mortes e casos, com 511.998 mortes para 28.554.688 casos de infecção pelo novo coronavírus, segundo a contagem feita pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos EUA, os países mais afectados são o Brasil com 254.221 mortes e 10.517.232 casos, o México com 185.257 mortes (2.084.128 casos), a Índia com 157.051 mortes (11.096.731 casos) e o Reino Unido com 122.705 mortos (4.170.519 casos).

Entre os países mais afectados, a Bélgica é o que reporta o maior número de mortes relativamente à sua população, com 190 mortes por 100 mil habitantes, seguida da República Checa (190), Eslovénia (185), Reino Unido (181) e Itália (161).

A Europa totalizou 850.906 mortes para 37.517.951 casos (dados de hoje às 11:00), América Latina e Caribe 676.702 mortes (21.320.087 casos), Estados Unidos e Canadá 533.947 mortes (29.418.237 casos), Ásia 256.035 mortes (16.114.471 casos), Médio Oriente 104.046 mortes (5.465.808 casos), África 103.490 mortes (3.889.614 casos) e Oceânia 949 mortes (32.344 casos).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou drasticamente e as técnicas de rastreamento melhoraram, levando a um aumento de infecções declaradas.

O número de casos diagnosticados, no entanto, reflecte apenas uma fracção do total real de contaminações, com uma grande proporção dos casos menos graves ou assintomáticos ainda não detectados.

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pelos escritórios da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Devido a correcções feitas pelas autoridades ou publicações tardias dos dados, os números do aumento de 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados na véspera.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,28 fev 2021 16:47

Editado porFretson Rocha  em  26 nov 2021 23:21

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.