Ministros das Finanças africanos pedem resposta coordenada contra a COVID-19

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,23 mar 2020 15:56

Os ministros das Finanças africanos pedem uma resposta coordenada contra a Covid-19 para mitigar o impacto negativo da pandemia nas economias e na sociedade, o pedido surge após uma conferência virtual realizada a 19 de Março.

Num comunicado da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEA), enviado às redacções lê-se que os ministros africanos das Finanças se reuniram no passado dia 19 de Março para uma conferência virtual, com o intuito de trocar ideias sobre os esforços de seus respectivos governos para lidar com os impactos sociais e económicos da COVID-19.

“Eles apontam que, mesmo antes da pandemia da COVID-19, África já estava enfrentando uma enorme lacuna de financiamento em medidas e programas de financiamento destinados a alcançar os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e as metas e objectivos da Agenda 2063”, diz o comunicado.

Os ministros enfatizam, segundo a mesma fonte, que sem esforços coordenados, a pandemia da COVID-19 “terá implicações importantes e prejudiciais para as economias africanas e a sociedade como um todo”.

“As previsões económicas iniciais na maioria das economias são, em média, revistas em 2 a 3 pontos percentuais para 2020, devido à pandemia”, completa a nota, onde também consta que os ministros concordam que, como parte de uma medida de saúde imediata, é necessária uma resposta coordenada na logística e entrega dos equipamentos de teste.

Nesse sentido, os ministros enfatizam, conforme o documento, a necessidade de trabalhar com a OMS e as instituições continentais existentes, em particular a União Africana e o CDC na África, enquanto fazem o máximo uso dos sistemas e parceiros de financiamento existentes, como o Fundo Global.

Os governantes entendem, de acordo com o comunicado que se deve prestar atenção especial a Estados frágeis e populações vulneráveis, em particular mulheres e crianças e pessoas que vivem em assentamentos urbanos informais.

Além disso, dada a infra-estrutura de saúde limitada e o facto de a maioria dos produtos farmacêuticos e médicos consumidos na África serem importados, os ministros pedem à comunidade internacional que apoie a modernização da infra-estrutura de saúde e forneça apoio directo às instalações existentes.

Para os governantes, a África “precisa urgentemente” de uma recuperação económica de US $ 100 mil milhões. Assim, entendem que a isenção de todos os pagamentos de juros, estimados em US $ 44 mil milhões até 2020, e a possível extensão da renúncia a médio prazo, proporcionará espaço fiscal e liquidez imediata aos governos, em seus esforços para combater a pandemia de COVID-19.

“A isenção do pagamento de juros deve incluir não apenas pagamentos de juros da dívida pública, mas também de títulos soberanos. Para Estados frágeis, os ministros concordam com a necessidade de considerar a isenção de capital e juros e de incentivar o uso das instalações existentes do Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Africano Banco de Desenvolvimento (BAD) e outras instituições regionais”, lê-se.

Além disso, os ministros enfatizam, de acordo com a citada nota, a necessidade de apoiar o sector privado e proteger os mais de 30 milhões de empregos em risco, particularmente nos sectores de turismo e companhias aéreas em todo o continente.

O comunicado fala ainda em apoio a outros “sectores essenciais”, incluindo agricultura, importação e exportação, produtos farmacêuticos e serviços bancários, os ministros concordam que todos os juros e principal pagamento de dívidas corporativas, arrendamentos, instalações mecanismos de refinanciamento e garantia terão que ser usados para isentar, reestruturar e fornecer liquidez em 2020.

Entendem ainda aos governantes que uma linha de liquidez também deverá ser disponibilizada ao sector privado para garantir a continuidade de compras essenciais e que todas as pequenas e médias empresas (PME), dependentes do comércio possam continuar a operar.

Essas medidas, conforme acordado, devem acompanhar uma política de abertura de fronteiras comerciais. Nesse sentido, os ministros observam que a Europa e os Estados Unidos, em particular, podem integrar isso como parte de sua recuperação em seus sistemas privado e financeiro.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,23 mar 2020 15:56

Editado porSara Almeida  em  7 abr 2020 17:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.