​“Maior incêndio” no Planalto Leste continua a consumir floresta

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,27 jul 2018 17:01

As chamas continuam a avançar no perímetro florestal do Planalto Leste, em Santo Antão, naquele que já é considerado o pior incêndio de sempre naquela região. Segundo o presidente da associação dos municípios da ilha, “grande parte da floresta” já foi consumida pelo fogo.

Orlando Delgado explica, em entrevista à Rádio Morabeza, que o maior problema tem a ver com os reacendimentos e com o facto de o incêndio ter várias frentes, o que dificulta a capacidade de resposta.

“Podemos dizer que há uma tendência para alguma normalidade, embora a nossa preocupação tenha a ver com os reacendimentos. Há zonas de total inacessibilidade, uma parte da floresta ardeu, sendo que depois vamos ter que fazer uma avaliação para saber exactamente a área ardida, mas posso adiantar que é o maior incêndio que nós já tivemos em termos dessa floresta. É um incêndio de grandes proporções e o pior de tudo é que deflagrou em várias frentes”, realça.

O responsável afirma que os equipamentos no terreno são suficientes, mas que a dificuldade de acesso ao interior da floresta está a dificultar os trabalhos. Segundo o autarca, algumas casas estiveram ameaçadas pelo fogo, mas, até ao momento, apenas uma família teve que ser retirada.

“Em termos de equipamentos temos o suficiente, quer em termos de autotanques, entre outros. O nosso maior problema tem a ver sobretudo com a questão dos acessos. Há zonas em que é difícil lá chegar.

“Na zona de Espongeiro, no início houve alguma preocupação em relação a algumas casas, a mesma coisa em relação a Ribeira de Poi onde algumas estiveram famílias ameaçadas, tivemos que evacuar uma, mas em termos de património edificado não nenhum dano”, assegura.

O incêndio que deflagrou por volta das 1:40 da madrugada de hoje está a afectar todo o Planalto Leste. No terreno estão bombeiros e meios materiais de todos os três municípios da ilha.

De São Vicente seguiram seis elementos da corporação de Bombeiro Municipal, uma viatura de combate a incêndios, e 51 militares.

Segundo o presidente do Serviço nacional da Protecção Civil e Bombeiros, Renaldo Rodrigues, esta tarde chega a Santo Antão mais um reforço com fuzileiros navais, proveniente da cidade da Praia.

Sobre as causas do incêndio florestal, suspeita-se de negligência.

“Este é um processo que terá que ser avaliado após a conclusão do combate, mas tudo indica que não foi causa natura. Tudo leva a crer que tenha siso fogo, não diria posto, mas por negligência”, diz, à Morabeza.

Este é o terceiro incêndio que ocorre em menos de dois meses no perímetro florestal do planalto Leste.

O presidente do Serviço Nacional da Protecção Civil e Bombeiros pede um esforço mais coordenado para que situações do género não voltem a acontecer, realçando a necessidade de medidas, nomeadamente a vigilância e controlo de movimentações no perímetro, além de limpeza da floresta e fim das queimas descontroladas.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,27 jul 2018 17:01

Editado porAndre Amaral  em  20 nov 2018 3:22

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.