Praia recebe a Fase piloto do II° Inquérito de Doenças Não Transmissíveis

PorAilson Martins, Rádio Morabeza,3 dez 2019 14:51

Coordenadora técnica-adjunta do Inquérito, Emília Castro Monteiro
Coordenadora técnica-adjunta do Inquérito, Emília Castro Monteiro(Rádio Morabeza)

A fase piloto do II Inquérito de Doenças Não Transmissíveis (IDNT II) arrancou hoje, na cidade da Praia, com o intuito de conhecer a prevalência e o perfil epidemiológico dos principais factores de risco de doenças crónicas não transmissíveis, como hipertensão arterial, diabetes, obesidade, cancro do colo do útero e suicídio, além de factores comportamentais, como consumo do álcool, tabagismo, hábitos alimentares, sedentarismo, actividade física, entre outros.

Em declarações aos jornalistas, a coordenadora técnica adjunta do inquérito, Emília Castro Monteiro, disse que, para além de dar a conhecer o perfil epidemiológico dos principais factores de risco das doenças crónicas não transmissíveis, serão recolhidas medidas físicas, nomeadamente o tamanho e o peso dos inquiridos.

"Teremos os aparelhos para medir a tensão arterial também, e frequência cardíaca, tudo isso para determinar os factores de risco das doenças não transmissíveis, ou crónicas não transmissíveis, fazermos a colheita de urina que será posteriormente analisada no hospital Agostinho Neto, mas no momento faremos os testes na hora e daremos os resultados de açúcar no sangue ou seja glicémia, e de colesterol, gordura no sangue "explica.

A fase piloto do II Inquérito de Doenças Não Transmissíveis ( IDNT II ) irá decorrer nos concelhos de São Domingos e Praia.

"A fase piloto é onde se experimenta , onde se programa praticamente a fase do inquérito principal, que está programado ser realizado em Fevereiro e Março. São oito semanas para o [arranque do] inquérito principal a nível de todo o país, neste momento o piloto é feito em São Domingos e Praia " avança.

Esta etapa deste inquérito realizado pelo Ministério da Saúde e da Segurança Social e Instituto Nacional de Estatística, com a assistência da OMS, decorrerá até ao próximo dia 08 de Dezembro.

O objectivo é testar questionários, metodologias de abordagem, detectar dificuldades de terreno, imperfeições na formação dos agentes e da própria metodologia de recolha.

No primeiro trimestre de 2020 deverá arrancar em todo o país.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ailson Martins, Rádio Morabeza,3 dez 2019 14:51

Editado porSara Almeida  em  8 dez 2019 23:21

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.